Coevolução newsletter

A essência não está dada

Coevolução newsletter #13

Essência é um conceito antigo usado para alegar que cada ser tem qualidades que o fazem único, singular, específico. Ben Haggard (2017) diz que a qualidade que faz algo distintivo é exatamente o que deve ser entendido como essência. Carol Sanford (2020) define essência como o cerne irredutível de algo, o que o torna singularmente ele mesmo. Pamela Mang e Ben Haggard (2016, p. 48) trazem que a essência é “a verdadeira natureza ou caráter distintivo que torna algo o que é; o elemento permanente versus o acidental do ser”.

Eles também dizem que a distintividade é uma característica dos sistemas vivos, ou seja, cada sistema vivo é distinto um do outro e expressa uma essência que é a fonte de sua singularidade. Assumir a essência como um princípio fundamental de sistemas vivos é imprescindível porque o potencial regenerativo de sistemas vivos surge desse aspecto central distinto não importando se é uma árvore ou uma floresta, uma pessoa ou uma cidade (Mang e Haggard, 2016). Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

Compreensão de padrões, compreensão da vida

Coevolução newsletter #12

O poder do entendimento dos sistemas vivos está em nos ensinar a ver padrões que se repetem e, desse modo, conseguir trabalhar efetivamente em meios e escalas muito diferentes.

É isso que Joel Glanzberg, do grupo Regenesis, demonstra quando diz que os padrões de troca que acontecem em nossos corpos são semelhantes aos de uma árvore, bacia hidrográfica, ecossistema ou economia. Assim, ao compreender os padrões de funcionamento de um desses sistemas, começamos a entender como todos eles funcionam. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

As principais capacidades sistêmicas

Coevolução newsletter #11

Uma das premissas do trabalho sistêmico e regenerativo é que pequenas intervenções conscientes no local correto podem criar efeitos sistêmicos benéficos.

Isso só é possível quando somos capazes de ter um olhar sistêmico e integral para um determinado contexto.

Existem habilidades que precisam ser desenvolvidas se quisermos ter esta visão ampliada e relacional. Abaixo segue as principais capacidades sistêmicas necessárias para o trabalho de transformação.

Reconhecer as interconexões

Este é o nível básico do pensamento sistêmico. Essa habilidade envolve a capacidade de identificar as principais conexões entre as partes de um sistema. Mesmo adultos com alto nível de escolarização, sem treinamento em pensamento sistêmico, tendem a não ter essa capacidade.

As conexões fazem com que o comportamento de uma parte afete a outra. Todas as partes estão conectadas, uma mudança em qualquer parte ou conexão afeta todo o sistema.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Coevolução newsletter, 0 comments

Sobre nuvens e relogios

Coevolução newsletter #10

Este ano estamos dedicados a construir um currículo de base para apoiar a prática regenerativa.

Sendo uma prática para a transformação de sistemas vivos, a regeneração se apoia amplamente no pensamento sistêmico. Nos próximos meses é por aí que vai caminhar a nossa atenção.

Por exemplo, você sabe o que é um problema do tipo relógio e um problema do tipo nuvem? Essa é talvez a primeira distinção que precisamos fazer ao entrar neste universo de sistemas.

Alguns tipos de problemas se assemelham a um relógio. Possuem fronteiras bem definidas, relações de causa e efeito conhecidas e as partes podem ser identificadas e reparadas. Os problemas de engenharia, a partir de um olhar pontual, são problemas do tipo relógio. Eles são problemas estáveis em que há um entendimento comum sobre qual é o problema e qual solução o resolverá.

 

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Coevolução newsletter, 0 comments

Ativação da vontade

Coevolução newsletter #9

Ontem no workshop Atributos do praticante regenerativo mergulhamos na ideia de que a regeneração é uma prática de ativação da vontade. A vontade enquanto um aspecto da natureza humana é a força que governa e determina o nosso fazer e o nosso ser.

Mas como sustentar a energia da vontade? O trabalho regenerativo parte do entendimento de que a motivação pessoal ganha um terreno fértil quando somos capazes de desempenhar um papel único que contribui para a saúde e evolução dos lugares que são importantes para nós.

Nesta ideia estão contidas duas fontes de motivação que devem ser conciliadas. A primeira fonte é interna e corresponde aos nossos interesses genuínos e qualidades particulares. Podemos chamá-la de força de ativação pois ela gera o impulso para criar algo. Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Coevolução newsletter, 0 comments

Auto-observação e auto-lembrança

Coevolução newsletter #8

Em uma de suas aulas sobre design informado por sistemas integrais e sistemas vivos, Bill Reed disse que a nossa existência se dá de três maneiras: automática, reativa ou intencional. Para a triste surpresa dos ouvintes, ele disse que “mesmo os grandes místicos foram intencionais e propositivos apenas 20% de suas vidas”.

O porquê dele falar sobre isso em uma aula sobre regeneração se deve ao fato de que sem intencionalidade e revisão de propósito não é possível construir uma mente que percebe como os padrões de vida se expressam nos encontros, projetos e paisagens e, assim, tampouco é possível regenerar a vida e os significados destes contextos.

Para uma aproximação da prática regenerativa, junto à alfabetização em como totalidades e sistemas vivos funcionam, é preciso estar em dia com a prática de perceber como se percebe, suspender padrões automáticos de pensamento e remodelar o próprio estado de ser. O Regenesis chamou essa prática de auto-observação e auto-lembrança. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

As cinco dimensões da prática regenerativa

Coevolução newsletter #7

O que faz com que um projeto, empresa ou o comportamento de uma liderança seja melhor qualificado como regenerativo do que como sustentável, ecológico ou humano?

Esta não é uma pergunta simples, mas podemos dizer que a prática regenerativa está orientada para a transformação sistêmica. Essa direção faz com que o praticante precise ampliar o seu escopo de atuação para incluir aspectos que comumente não são considerados.

O Clear (Center for Living Environments and Regeneration), informado pelo trabalho do Regenesis e da Carol Sanford, sistematizou cinco dimensões de prática com as quais precisamos estar envolvidos para tornar e manter regenerativo o nosso trabalho. São elas: Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

Olhar dentro

Coevolução newsletter #6

A atenção ao lugar interno a partir do qual operamos é essencial para o desenvolvimento humano e é um pilar para o trabalho de design regenerativo. 

O desenho e a condução de projetos, processos e comunidades são influenciados diretamente pela qualidade da presença do facilitador. 

Quando o lugar de poder é externo, a realização ou a insatisfação pessoal ou o sucesso de um projeto estão condicionados às circunstâncias além do nosso controle e poder. Nesse sentido, o acaso, as estruturas sistêmicas e os comportamentos alheios costumam ser justificativas que damos para quando as coisas caminham na direção contrária daquela que gostaríamos. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

Regenerar de dentro para fora

Coevolução newsletter #5

Neste email apresento alguns dos pontos-chave da próxima trilha de aprendizagem da nossa comunidade online, Atributos da liderança regenerativa.

Ela incorpora a premissa de que o trabalho regenerativo requer mais que um conjunto de habilidades ou competência técnica. O componente essencial desse trabalho é o desenvolvimento interior que ocorre enquanto fazemos nosso trabalho no mundo.

A regeneração de um sistema requer foco duplo no que podemos chamar de trabalho interno e trabalho externo do praticante regenerativo. Levando isso a sério, essa trilha nos ajudará a construir capacidades necessárias para assumir a tarefa altamente negligenciada de trabalhar regenerativamente de dentro para fora. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

Desenvolvimento como princípio da vida

Coevolução newsletter #4

O conceito de desenvolvimento elaborado no âmbito da visão sistêmica da vida que informa o paradigma regenerativo é particular.

Neste email apresento o que significa desenvolvimento em um sistema vivo.

Sistemas vivos são onipresentes. Eles não se restringem a organismos vivos ou sistemas naturais. Eles incluem sistemas complexos dinâmicos tais como paisagens, territórios, comunidades e organizações humanas e projetos diversos.

Com isso, quero dizer que você pode usar as reflexões abaixo para informar diretrizes de ação para o seu projeto ou comunidade.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments