Entre dois mundos

Entre dois mundos

Dois mundos coexistem. O dominante, com o qual estamos acostumados, é pautado pela dominação. Podemos chamá-lo de mundo da separação pois este acredita que todos os seres são separados e operam a partir do autointeresse. Desta forma, o que existe é um ambiente ferrenho de competição.

O outro, embrionário mas latente, é um mundo pautado pela integralidade e respeito à vida. Este reconhece que todos fazemos parte de uma teia viva e que somos interdependentes. Por isso, podemos chamá-lo de mundo do interser. Nele acreditamos que só é possível existir porque todas as outras coisas existem. Assim, temos um ambiente de cooperação rumo à coevolução dos sistemas vivos.

O agente de regeneração habita estes dois mundos. Quando olhamos para as tristezas do mundo da separação podemos ficar desesperançosos. É fácil sentir-se pequeno diante um mundo-monstro. Mas, mesmo assim somos compelidos a trabalhar neste lugar.

O trabalho que a liderança regenerativa desempenha no mundo da separação é o de resistência, reparo e cura. É a tentativa de impedir que um mal maior seja feito. É uma dura luta para frear a destruição.

A realidade do mundo da separação, no entanto, não invalida os avanços do mundo do interser. Coexistindo com todas as mazelas, há grandes líderes e iniciativas que são a materialização de um mundo melhor.

Viver entre dois mundos é aceitar a incerteza, a ambiguidade e a contradição da caminhada. É realizar o “trabalho de bombeiro” do ativista e ao mesmo tempo desempenhar o “trabalho de visionário” que constrói novos caminhos.

Trabalhar no mundo do interser é fazer o impossível. É operar a partir dos nossos corações e cultivar uma mente ampla e amorosa o suficiente para cuidar e nutrir iniciativas transformadoras.

Te convido, humildemente, a assumir o seu lugar. Nem lá, nem cá, entre dois mundos, abrindo trilhas desconhecidas, mostrando o caminho para um mundo mais bonito ao mesmo tempo em que cura e repara os danos já causados.

Foto: Sina Katirachi

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
O grito

O grito

Em silêncio é possível ouvir o grito da Terra.

A atenção e o cuidado, grandes expressões do feminino, não surge da percepção externa — nem mesmo do cair da floresta — surge de um lugar pouco frequentado: as profundezas do ser humano.

O desabrochar da sensibilidade humana é o desabrochar da Terra. O interesse humano por humanidade e a busca de coerência ecológica, do cuidado com a casa comum, surge a partir do autointeresse de Gaia. Este é o seu despertar, dentro de nós.

Acorde e veja: você é os olhos da Terra.

Foto: Eva Waardenburg

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Liderança regenerativa

Liderança regenerativa

Para alcançarmos um futuro próspero, mais do que fazer as coisas diferente, é necessário redefinir a presença humana na Terra.

A regeneração é uma proposta de harmonização das atividades humanas com a inteligência dos sistemas vivos. Porém, a curva de aprendizagem envolvida nessa mudança é longa.

Precisamos de pessoas que nos mostrem caminhos para um futuro viável e que nos ajudem a embarcar em uma jornada de transformação. Precisamos de pessoas que assumam a responsabilidade de liderar a partir de um propósito coletivo e cuja motivação seja sanar as dores de Gaia.

A essas pessoas nós podemos dar o nome de líderes regenerativos.

Uma liderança regenerativa se expressa de diferentes maneiras a depender de seu arquétipo pessoal: como a guerreira comprometida em conter a destruição ecossocial, a curadora sensível capaz de curar as dores da Terra ou a professora motivada em transformar a percepção da realidade. Todas, no entanto, possuem uma orientação comum: reparar os danos socioambientais causados pela atividade humana e devolver uma visão de futuro próspero à humanidade.

A jornada da liderança regenerativa começa nas profundezas do lugar mais temeroso que podemos acessar. Ela começa dentro de nós mesmos.

Guiados pela premissa de que não é possível realizar a transformação que queremos para o mundo sem antes realizarmos a transformação interior de como pensamos e de quem somos capazes de ser, a liderança regenerativa cruza limiares obscuros e caminha no fio da navalha da consciência humana.

A transformação pessoal inspira a transformação coletiva. E tudo o que nós queremos é estar com pessoas que nos inspiram a ser a melhor versão de nós mesmos.

O mundo precisa de lideranças regenerativas e te convida a realizar o seu maior potencial: o de servir às necessidades da Terra e inspirar outras pessoas a fazer o mesmo.

Você é importante demais para não ser você mesma.

Foto: Christopher Burns

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Frear é o primeiro passo

Frear é o primeiro passo

A sustentabilidade busca melhorias relativas.

A pergunta é: como posso reduzir o meu impacto ambiental?

A resposta costuma vir acompanhada de números. É possível reduzir 10% do consumo de energia, 25% do consumo de água, 20% de resíduos…

A atenção está voltada para diminuir o ritmo com que degradamos o planeta. Mas isso não impede o fim trágico.

Se estamos em um carro se movendo sentido a um abismo, reduzir a velocidade com que ele se aproxima não salvará os passageiros de um triste fim.

Mas, ao perceber a tragédia a nossa frente, reduzir a velocidade é o primeiro passo para que se possa fazer a curva com segurança.

A sustentabilidade nos ajuda a frear. Agora, precisamos de um farol que nos ajude a fazer a curva no sentido certo rumo a um mundo viável regenerativo.

Foto: Louis Maniquet

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Distúrbio generativo

Distúrbio generativo

De modo geral, somos avessos às perturbações em nosso cotidiano. Procuramos, na maioria das vezes, um caminho seguro e conhecido sem que haja grandes mudanças.

Acontece que a principal força evolutiva em sistemas vivos são os distúrbios.

Segundo a Teoria da Cognição de Santiago, sistemas vivos respondem a distúrbios com mudanças estruturais, isto é, mudanças na estrutura física, cerebral, celular… e o faz de forma a “escolher” quais distúrbios responder e como responder.

Uma floresta sem distúrbios está fadada ao declínio. Em um ecossistema, o único equilíbrio que existe é o equilíbrio dinâmico que incorpora as mudanças como eventos capazes de promover a evolução.

Assim, para alinhar a nossa mentalidade com a inteligência da vida podemos começar fazendo as pazes com os distúrbios — com os eventos de caos e destruição — e entendê-los como uma força natural necessária ao equilíbrio dinâmico evolutivo.

Aquele evento que não estávamos esperando, o desaparecimento de algo que nos dava a sensação de segurança ou mudanças forçadas repentinas e totais podem ser eventos capazes de gerar mudanças evolutivas.

Talvez não seja possível escolher se queremos ou não responder a um evento, mas sempre será possível escolher como responder. Qual aprendizado é possível incorporar a partir disso? Como isso pode me aprimorar ou como este evento pode me levar a novos rumos?

O Brasil vive hoje um grande e profundo distúrbio estrutural, uma afronta inimaginável aos rumos de um país pautado no respeito, inteligência e integralidade. Um desrespeito à sua própria história.

Diante disso estamos escolhendo responder de que forma?

Desejo que este momento faça florescer em nós a vontade e consistência necessária para trabalharmos as nossas habilidades enquanto agentes de mudança, empreendedores ecossociais, estrategistas organizacionais, guerreiros da sustentabilidade, líderes compassivos… ou seja, a nossa capacidade para a liderança regenerativa.

Desejo que cada um de nós possa começar a construir ou ampliar o seu legado conectado ao seu senso de propósito mais energizante. Agora.

Foto: Ryan Loughlin

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Design de culturas regenerativas

Design de culturas regenerativas

Daniel Wahl, autor de Design de Culturas Regenerativas, estará no Brasil em Março para uma série de palestras e cursos e para o lançamento do seu livro em edição brasileira. Abaixo segue a resenha do livro.

Há cinquenta anos a humanidade foi presenteada com a primeira foto da Terra tirada da órbita lunar, o nascer-da-terra ou earthrise. Esta imagem — a Terra flutuando no vazio negro do espaço — mudou para sempre a perspectiva de como a enxergamos e de como nos enxergamos nela. Foi o primeiro momento em que pudemos coletivamente nos afastar e ter uma visão ampla o suficiente para perceber que estamos todos habitando um mesmo barco, a espaçonave Gaia.

Hoje, cinquenta anos depois, ainda temos dificuldade em assimilar o que significa e o que requer de nós morar em uma mesma casa flutuante. Precisamos nos afastar ainda mais. É necessário realizarmos uma perspectiva ecofilosófica capaz de perceber o significado de sermos humanos e habitantes de Gaia.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares, 0 comments
O espectador, o participante e o salto mortal

O espectador, o participante e o salto mortal

O espectador é aquela pessoa que assiste ao mundo desenrolar na sua frente. Ela sobe no barco, mas nunca assume o leme. Ela está à mercê do sistema. Está à deriva.

Já o participante jamais se deixa levar. Esta pessoa possui uma direção clara e fará os ajustes necessários para seguir no sentido da sua visão. Ela participa ativamente na criação do mundo.
Passar de espectador para participante exige um salto.

É como subir no trampolim de dez metros e ficar paralisado pelo medo. O medo de que algo possa dar errado, o medo de ferir a própria existência.

E então ter a coragem de reconhecer que esse medo não possui lastro e que o perigo é o medo que me bloqueia.

E então o salto. E outro, e outro.

Para nos tornarmos participantes precisamos nos acostumar a saltar no vazio. A encarar o medo e fazer as pazes com a incerteza.

Foto: Johannes Plenio

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
A nova zona de segurança

A nova zona de segurança

Conformidade, padrão e regras estabelecidas, ou seja, o jogo do trabalho convencional, costumava ser a nossa zona de segurança e ao mesmo tempo a nossa zona de conforto.

É confortável a sensação de segurança e de certeza, mas estar confortavelmente dormente ao ocupar um papel substituível não é mais seguro.

Apesar da nossa zona de conforto ser a mesma, a nossa zona de segurança mudou.

Vivemos em um mundo em que a conformidade não é mais recompensada. A sociedade, hoje, na economia da conexão, valoriza aquelas pessoas corajosas capazes de fazer um trabalho surpreendente.

A zona de segurança, então, está na capacidade de surpreender. Está na capacidade de fazer um trabalho significativo e em criar conexão.

É preciso sair da zona de conforto para entrar na nova zona de segurança. Você pode fazer diferente e pode fazer melhor do que sempre fizeram.

Você é capaz, com o seu coração e com toda a sua coragem, de fazer algo surpreendentemente significativo que irá mudar o jeito como as coisas são feitas. Algo mais generoso, mais humano, mais atento e mais profundo.

Com intenção e coragem podemos transformar os nossos projetos e o nosso trabalho em legados para a sociedade, em contribuições significativas que são essenciais para a vitalidade do nosso local de interação.

Nessa jornada precisamos de duas coisas. De uma mentalidade de aprendizagem por toda a vida e de uma comunidade de apoio.

Juntos, podemos nos tornar indispensáveis e insubstituíveis.

Uma boa avaliação que podemos fazer é nos perguntar: se eu me retirar agora quem verdadeiramente sentirá a minha falta?

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Terra, mosaico de biorregiões

Terra, mosaico de biorregiões

Ao longo da vida construímos a imagem da Terra como um bloco monolítico de superfície plana. Dificilmente conseguimos ter viva a imagem de estarmos gravitacionalmente conectados à superfície de um organismo superdiverso que dança no vazio cósmico.

A Terra não é um bloco. É um conjunto de regiões altamente diferenciadas e articuladas entre si. E cada um de nós fazemos parte de alguma de suas paisagens. Inevitavelmente, o lugar onde estamos é parte do que somos. Reciprocamente, alguma biorregião depende da nossa participação apropriada na sua ecologia.

Nesse sentido, o senso de não-pertencimento que alguns de nós carregamos está relacionado diretamente com a nossa falta de identificação com um lugar, uma paisagem, uma biorregião da qual somos parte. A qual biorregião você pertence?

O que são biorregiões?

A formação geológica, as condições climáticas e as formas de vida particulares que se expressam em um determinado lugar compõe o que chamamos de biorregiões. A Terra é um mosaico de biorregiões.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Projetos que se tornam legados

Projetos que se tornam legados

Se o seu objetivo é criar um projeto de impacto positivo, não comece pelo projeto em si, comece pelo lugar que ele ocupa.

A sustentabilidade de um sistema vivo está ligada diretamente com a sua integração benéfica com o sistema maior de que faz parte.

Assim, no início de um projeto regenerativo a nossa atenção está toda voltada para o lugar.

Desta forma, a primeira tarefa que temos é uma investigação que nos oriente no entendimento deste lugar.

Quais as suas características únicas, como se dão os seus relacionamentos? Qual a vontade desse lugar? Qual a sua essência, o seu espírito?

Nessa investigação dois conceitos são fundamentais: aninhamento e interdependência.

Estar aninhado significa que existe um padrão de organização de sistemas dentro de sistemas e um interesse mútuo entre esses diferentes níveis baseado nas energias que são trocadas através deles.

Se a saúde de um nível se deteriora a saúde dos demais níveis são afetadas. Perceba como a deterioração dos rins, por exemplo, reflete no corpo todo.

Se nós quisermos criar projetos que são regenerativos então teremos que entender os sistemas que eles estão aninhados pois são estes sistemas que nós iremos regenerar.

Desta perspectiva, o potencial que emerge do lugar advém do relacionamento entre o que torna um lugar único e o valor que esta singularidade pode levar para o sistema maior em que ele está aninhado.

Assim, a busca primordial do desenvolvimento regenerativo é revelar um papel singular que seja capaz de contribuir significativamente para a saúde do lugar em questão.

Desta forma, temos projetos que se tornam indispensáveis para a comunidade de vida local.

Projetos que se tornam legados e fonte de inspiração.

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Load more