Vamos conseguir?

Vamos conseguir?

Seremos capazes de superar os desafios de nosso tempo e construir um mundo viável? Não é tarde demais? Difícil demais?

Esta é uma indagação comum dos agentes de transformação. E quando dirigida a mim, eu respondo: não importa.

Não me interessa calcular as chances da humanidade sair da armadilha que criou para si. Não me interessa nem mesmo sustentar a civilização como está.

Mas me interessa contribuir a partir da minha melhor visão. Isso porque sei que o futuro se faz a partir de sucessivos presentes. E viver hoje da forma como acreditamos que devemos viver, desafiando tudo o que há de ruim a nossa volta, é por si só uma vitória maravilhosa.

A salvação da humanidade, esta tarefa colossal, não cabe a nós. Isso é um equívoco. Não é este o nosso objetivo.

O nosso objetivo é criar ilhas de sanidade em um mar de intolerância, egoísmo e ganância.

Você pode, com a influência que possui, criar espaços potentes para trabalhar e vivenciar aquilo que você acredita ser a melhor expressão da humanidade. Você pode viver o futuro hoje.

Em tempos incertos, quem escolhemos ser?

Foto: Clkraus

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Como as mudanças acontecem?

Como as mudanças acontecem?

Somos ignorantes quanto a natureza dos processos de mudança. Diante a urgência de mudar cenários sociais negligenciamos a complexidade do mundo e do ser humano. O resultado disso é que priorizamos pelo que lutar em relação ao como lutar. Inevitavelmente, reproduzimos comportamentos que criam resultados diferentes dos que pretendíamos. Como sair dessa cilada? Entender como as mudanças pessoais e sociais acontecem é o primeiro passo.

Este é o quinto texto de uma sequência de cinco artigos que nos convoca a assumir o papel de ativistas radicais a serviço da construção de um mundo possível. A sequência é: Nós somos aqueles por quem esperávamos, O paradoxo do ativismo conservador, O ativismo radical, Como vemos o mundo? e Como as mudanças acontecem?. Acompanhe e assuma a sua identidade enquanto agente de transformação neste mundo em transição.

O que está por trás dos feitos revolucionários?

Existe uma ignorância total sobre os processos de mudança. Endeusamos líderes responsabilizando-os pelo sucesso ou fracasso das viradas históricas. No contexto das revoluções o grande público fica sabendo de apenas 1% do processo revolucionário: o enfrentamento direto (Barter, 2016). Mas a mudança social acontece através de um processo de construção coletiva e prática contínua dos valores que orientam a transformação pretendida. Este trabalho demorado e árduo permanece invisível.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 2 comments
Como vemos o mundo?

Como vemos o mundo?

O modo como vemos o mundo deve ter centralidade se quisermos agir como ativistas radicais. Nós criamos o mundo a partir de como o enxergamos. Perceber o quê e como enxergamos é tarefa indispensável em direção à construção de um mundo viável.

Este é o quarto texto de uma sequência de cinco artigos que nos convoca a assumir o papel de ativistas radicais a serviço da construção de um mundo possível. A sequência é: Nós somos aqueles por quem esperávamos, O paradoxo do ativismo conservador, O ativismo radical, Como vemos o mundo? e Como as mudanças acontecem?. Acompanhe e assuma a sua identidade enquanto agente de transformação neste mundo em transição.

Coisas versus significados

Apesar da ciência ocidental reivindicar para si o lugar de autoridade sobre a realidade das coisas, o ser humano não vê coisas, mas significados. A todo o momento levamos o nosso pensamento a criar o que achamos que estamos enxergando como a percepção pura das coisas. E enxergar sentido ou significado é diferente de ver coisas. O significado vive entre a percepção pura que os sentidos alcançam e o reconhecimento da mesma.

Nós vivemos em um mundo de significados e atribuímos significado ao mundo. A maneira como a humanidade apreende os fenômenos da vida é organizando, através da atividade do pensamento, as informações que chegam pelos sentidos. O mundo, consequentemente, vive entre nós e o que parece estar lá fora. Ele surge da conversa entre a experiência e a atribuição de sentido. Criamos o mundo através do sentido que atribuímos a ele.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
O ativismo radical

O ativismo radical

A radicalidade do ativismo está em assumir a transformação de si mesmo e do seu modo de enxergar como a mudança que o mundo precisa

Este é o terceiro texto de uma sequência de cinco artigos que nos convoca a assumir o papel de ativistas radicais a serviço da construção de um mundo viável. A sequência é: Nós somos aqueles por quem esperávamos, O paradoxo do ativismo conservador, O ativismo radical, Como vemos o mundo? e Como as mudanças acontecem?. Acompanhe e assuma a sua identidade enquanto agente de transformação neste mundo em transição.

O ativismo reúne aquilo que há de mais essencial no ser humano: a consciência, a liberdade e a responsabilidade.Todos nós somos potenciais ativistas já que a prática ativista significa intervir na realidade em consequência do nosso poder de fazer escolhas conscientes sobre para onde queremos que o mundo caminhe.  

No entanto, a humanidade tem fortes tendências ao conservadorismo porque aprendemos a inventar justificativas para os nossos comportamentos. Queremos a mudança lá fora sem ter que enfrentar o desconforto de desconstruir e reconstruir quem somos. Julgamos as pessoas por suas ações, mas queremos ser julgadas por nossas intenções.

O ativismo radical, na contramão do conservadorismo, entende que qualquer comportamento que precise ser justificado é, por definição, condenável. A sua radicalidade está no fato de que a transformação de si mesmo e de seu modo de enxergar é a mudança que quer ver no mundo.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
O paradoxo do ativismo conservador

O paradoxo do ativismo conservador

O ativismo conservador é feito por aqueles que, apesar de trabalharem por um mundo melhor, fracassam em se tornarem melhores pessoas

Este é o segundo texto de uma sequência de cinco artigos que nos convoca a assumir o papel de ativistas radicais a serviço da construção de um mundo viável. A sequência é: Nós somos aqueles por quem esperávamosO paradoxo do ativismo conservador, O ativismo radical, Como vemos o mundo? e Como as mudanças acontecem?. Acompanhe e assuma a sua identidade enquanto agente de transformação neste mundo em transição.

Compartilhamos coletivamente a crença de que há poucas pessoas que são capazes de mudar o mundo e que nós não somos essas pessoas. Acreditamos que essas pessoas são os governantes que estão no exercício do poder. E também que há exceções, pessoas loucas, que desafiam esses governantes e acreditam, utopicamente, em um outro mundo possível.

Dentre esse grupo de idealistas que acreditam poder transformar o mundo, diante o qual sentimos não pertencer, podemos identificar dois subgrupos: os ativistas conservadores e os ativistas radicais.

O ativismo conservador é aquele conduzido por pessoas com boa intenção, mas com uma fidelidade inconsciente ao paradigma que se está tentando superar. É o caso daqueles sujeitos e movimentos que resumem a mudança social a um conceito e lutam para que esse conceito se torne a ordem das coisas.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Nós somos aqueles por quem esperávamos

Nós somos aqueles por quem esperávamos

Já é hora de superarmos a nossa apatia e assumirmos o nosso papel na criação do mundo em que queremos viver

Este é o primeiro texto de uma sequência de cinco artigos que nos convoca a assumir o papel de ativistas radicais a serviço da construção de um mundo viável. A sequência é: Nós somos aqueles por quem esperávamos, O paradoxo do ativismo conservador, O ativismo radical, Como vemos o mundo? e Como as mudanças acontecem?. Acompanhe e assuma a sua identidade enquanto agente de transformação neste mundo em transição.

O sistema político está entregue ao sistema econômico e este, por sua vez, está dissociado do mundo natural – sua única fonte de legitimidade e valor. Temos, então, um espaço social aberto para ações revolucionárias. Mas, muitos de nós, secretamente, temos uma certa nostalgia de regimes autoritários e daquelas ações governamentais impetuosas que, no imaginário coletivo, eram capazes de “resolver os problemas da sociedade”.

Temos saudades de uma vida mais restrita porque fomos acostumados a não acreditar em nosso potencial transformativo. Desejar um mundo melhor sempre foi considerado uma transgressão em um contexto em que se acredita que somos pequenos demais para promover mudanças sociais.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 1 comment
A ponte

A ponte

O desenvolvimento regenerativo é fascinante. Ele resolve, no seu contexto, um paradoxo chave e abre caminhos para a construção de um mundo viável. Vou explicar.

Existe um vão. De um lado há uma terra fértil para ideias inovadoras. Esta é a casa de pensadores extraordinários e a maior preocupação destas pessoas é captar a inteligência da vida.

Estes mestres perceberam que os maiores problemas do mundo possuem origem no pensamento em si. Assim, dedicam as suas vidas a entenderem as falhas da visão de mundo dominante para que seja possível fundamentar um novo pensamento. Esta é a construção de uma nova ciência para orientar a sociedade: a visão de mundo dos sistemas vivos.

Do outro lado deste vão há uma paisagem árida e rochosa que pede por intervenção direta. Este lado abriga os fazedores. São idealistas que acreditam que um mundo mais bonito é possível e que para realizá-lo é preciso construí-lo ativamente, parte por parte, agora.

Assim, dedicam as suas vidas edificar paisagens sociais harmônicas: realizam projetos transformadores, fazem conexões e viabilizam a transformação. Com suor e lágrimas tornam realidade uma visão inovadora.

Acontece que entre a teoria e a prática regenerativa existe um obstáculo natural, este vão, que surge a partir da natureza distinta entre estas duas atividades: o pensar e o agir. Mas, sabemos que teoria e prática são complementares indissociáveis. Assim, um nunca estará completo sem a presença do outro. Precisamos, então, de uma ponte que os conecte.

Esta ponte precisa estar bem ancorada no solo fértil das ideias e no solo rochoso da prática. Ela deve ser robusta, generosa e testada. Deve existir uma via de mão dupla onde as ideias fluam para a ação e a ação esteja fundamentada em uma boa teoria.

E é aqui que o desenvolvimento regenerativo se mostra indispensável e fascinante. Este é um método de concepção e execução de projetos capaz de internalizar as teorias mais avançadas do pensamento ecológico e transformá-las em princípios e quadros conceituais capazes de orientar a prática. É a ponte que conecta o pensar e o fazer.

O praticante familiarizado com esta metodologia é capaz de enxergar e captar os princípios básicos de organização da vida. É capaz, também, de transformar estes princípios em diretrizes que vão materializar esta visão inovadora no projeto em que se está trabalhando.

Além de pensar de forma holística é necessário trabalhar de forma holística. Para tanto, precisamos de um método coerente, honesto e robusto. E esta é a contribuição única do desenvolvimento regenerativo.

Foto: Federico Beccari

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Entre dois mundos

Entre dois mundos

Dois mundos coexistem. O dominante, com o qual estamos acostumados, é pautado pela dominação. Podemos chamá-lo de mundo da separação pois este acredita que todos os seres são separados e operam a partir do autointeresse. Desta forma, o que existe é um ambiente ferrenho de competição.

O outro, embrionário mas latente, é um mundo pautado pela integralidade e respeito à vida. Este reconhece que todos fazemos parte de uma teia viva e que somos interdependentes. Por isso, podemos chamá-lo de mundo do interser. Nele acreditamos que só é possível existir porque todas as outras coisas existem. Assim, temos um ambiente de cooperação rumo à coevolução dos sistemas vivos.

O agente de regeneração habita estes dois mundos. Quando olhamos para as tristezas do mundo da separação podemos ficar desesperançosos. É fácil sentir-se pequeno diante um mundo-monstro. Mas, mesmo assim somos compelidos a trabalhar neste lugar.

O trabalho que a liderança regenerativa desempenha no mundo da separação é o de resistência, reparo e cura. É a tentativa de impedir que um mal maior seja feito. É uma dura luta para frear a destruição.

A realidade do mundo da separação, no entanto, não invalida os avanços do mundo do interser. Coexistindo com todas as mazelas, há grandes líderes e iniciativas que são a materialização de um mundo melhor.

Viver entre dois mundos é aceitar a incerteza, a ambiguidade e a contradição da caminhada. É realizar o “trabalho de bombeiro” do ativista e ao mesmo tempo desempenhar o “trabalho de visionário” que constrói novos caminhos.

Trabalhar no mundo do interser é fazer o impossível. É operar a partir dos nossos corações e cultivar uma mente ampla e amorosa o suficiente para cuidar e nutrir iniciativas transformadoras.

Te convido, humildemente, a assumir o seu lugar. Nem lá, nem cá, entre dois mundos, abrindo trilhas desconhecidas, mostrando o caminho para um mundo mais bonito ao mesmo tempo em que cura e repara os danos já causados.

Foto: Sina Katirachi

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
O grito

O grito

Em silêncio é possível ouvir o grito da Terra.

A atenção e o cuidado, grandes expressões do feminino, não surge da percepção externa — nem mesmo do cair da floresta — surge de um lugar pouco frequentado: as profundezas do ser humano.

O desabrochar da sensibilidade humana é o desabrochar da Terra. O interesse humano por humanidade e a busca de coerência ecológica, do cuidado com a casa comum, surge a partir do autointeresse de Gaia. Este é o seu despertar, dentro de nós.

Acorde e veja: você é os olhos da Terra.

Foto: Eva Waardenburg

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Liderança regenerativa

Liderança regenerativa

Para alcançarmos um futuro próspero, mais do que fazer as coisas diferente, é necessário redefinir a presença humana na Terra.

A regeneração é uma proposta de harmonização das atividades humanas com a inteligência dos sistemas vivos. Porém, a curva de aprendizagem envolvida nessa mudança é longa.

Precisamos de pessoas que nos mostrem caminhos para um futuro viável e que nos ajudem a embarcar em uma jornada de transformação. Precisamos de pessoas que assumam a responsabilidade de liderar a partir de um propósito coletivo e cuja motivação seja sanar as dores de Gaia.

A essas pessoas nós podemos dar o nome de líderes regenerativos.

Uma liderança regenerativa se expressa de diferentes maneiras a depender de seu arquétipo pessoal: como a guerreira comprometida em conter a destruição ecossocial, a curadora sensível capaz de curar as dores da Terra ou a professora motivada em transformar a percepção da realidade. Todas, no entanto, possuem uma orientação comum: reparar os danos socioambientais causados pela atividade humana e devolver uma visão de futuro próspero à humanidade.

A jornada da liderança regenerativa começa nas profundezas do lugar mais temeroso que podemos acessar. Ela começa dentro de nós mesmos.

Guiados pela premissa de que não é possível realizar a transformação que queremos para o mundo sem antes realizarmos a transformação interior de como pensamos e de quem somos capazes de ser, a liderança regenerativa cruza limiares obscuros e caminha no fio da navalha da consciência humana.

A transformação pessoal inspira a transformação coletiva. E tudo o que nós queremos é estar com pessoas que nos inspiram a ser a melhor versão de nós mesmos.

O mundo precisa de lideranças regenerativas e te convida a realizar o seu maior potencial: o de servir às necessidades da Terra e inspirar outras pessoas a fazer o mesmo.

Você é importante demais para não ser você mesma.

Foto: Christopher Burns

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Load more