Texto rápido

Um novo mundo, uma outra visão de mundo e um diferente jeito de aprender

Um novo mundo, uma outra visão de mundo e um diferente jeito de aprender

O mundo já não é o mesmo. Tampouco nossa capacidade de assimilar os fenômenos e elaborar nossos conteúdos psíquicos funciona da maneira como se convencionou acreditar funcionar.

O excesso de estímulo neurossensorial, a inserção indiscriminada de tecnologia na vida cotidiana, o hiperindividualismo, a desconexão da natureza, o eco-trauma instalado em nossos corpos e mentes em decorrência dos crimes socioambientais, a supremacia de uma visão de mundo ocidental, colonial, patriarcal, racista… pressionam a emergência de novas capacidades humanas de metabolização dos fatos, perspectivas, sentimentos.

No entanto, nossos hábitos de percepção e elaboração do mundo fenomênico refletem um paradigma de interação e aprendizado obsoleto. A despeito dos marcadores da contemporaneidade na nossa vida pessoal e social, nós ainda acreditamos em um jeito moderno de relacionar e aprender. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Aprender diferente

Aprender diferente

E se os instantes antes de entrar em um espaço de aprendizagem forem parecidos com os de adentrar um templo ou uma bela paisagem?

E se a qualidade mental que nós levarmos para aprender for de calma, abertura e humor?

E se as relações estabelecidas em um espaço de convivência forem de gentileza, confiança, incentivo e apoio mútuo? Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Inconsciente criativo

Inconsciente criativo

“Os poetas são criaturas adoráveis no campo, mas ameaçadores na linha de montagem.” 

— Rollo May

A criatividade tem uma relação íntima com o inconsciente. Rollo May, no livro A coragem de criar, diz que não há o inconsciente em si, mas dimensões subconscientes e pré-conscientes da experiência. Nessas dimensões reside o potencial de conhecimento e de ação que a pessoa desconhece. Esse potencial é a fonte da criatividade. 

Dessa forma, a exploração dos fenômenos do inconsciente se relaciona diretamente e de modo fascinante com o processo criativo. No entanto, os fenômenos irracionais do inconsciente constituem uma ameaça à ordem mecanizadora do mundo que requer ordem, uniformidade, previsibilidade. A potencialidade recebida das profundezas da mente não combina com a apologia moderna à ciência dura e à eficácia técnica. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Criatividade

Criatividade

O processo criativo envolve a reconciliação de muitos paradoxos: ação e espera, controle e renúncia, comprometimento total e ausência de esforço, tomada súbita de consciência e suavidade no fazer. A criatividade é a ação através da inação. Não é o ato de fazer em si, mas de permitir que algo ocorra por intermédio. É sustentar um estado relaxado e receptivo, e ser passagem.

Criativo é sinônimo de novo. Só é possível acessar o novo desarmando-se frente o desconhecido. A criatividade não é a composição ou reordenação do velho, mas a manifestação do até então impensável — do encontro do conhecido com o desconhecido. Rollo May, no livro A coragem de criar, diz que a coragem criativa é a descoberta de novas formas, símbolos, padrões e narrativas segundo os quais uma nova sociedade pode ser construída. 

Nesse sentido, a necessidade de coragem criativa nas pessoas é proporcional ao grau de mudança que é necessária ao mundo. Ela é alimentada pela fúria contra a injustiça presente na sociedade. As pessoas criativas são rebeldes porque se revoltam contra a disfuncionalidade do status quo e não se rendem ao script de sucesso que lhes é oferecido. Elas sabem que o novo costuma ser rejeitado, que a humanidade é letárgica e que elas estão a frente do seu tempo. 

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 1 comment
Coragem para habitar o limbo

Coragem para habitar o limbo

Vivemos no limbo entre a morte de uma época e o nascimento de uma nova era que ainda não começou. É preciso coragem para viver nesse tempo-espaço porque nós estamos acostumados a fugir ante a iminência do desmoronamento das estruturas convencionais e a nos acovardar com a perda do conhecido. A paralisia, a inércia e a apatia, em momentos decisivos, são nossas velhas companheiras.

Mas abrir mão de participar da criação do futuro é subutilizar a qualidade distintiva do ser humano influenciar o entorno por meio da escolha consciente. Participar conscientemente, lançar mão da coragem necessária para sustentar escolhas autênticas e assumir a responsabilidade de influenciar o curso evolutivo do mundo quando ele se apresenta disfuncional é o que nos torna humanos. 

Para tanto, é inevitável atravessar a angústia existencialista de viver no limbo entre o que existe e o que devemos dar nascimento. Não há como evitar o desconforto de adentrar na terra de ninguém onde não há trilhas feitas e da qual ninguém voltou para nos servir de guia. Viver no futuro emergente é saltar no desconhecido. Exige uma coragem sem precedentes. Existencialistas como Nietzsche e Sartre dizem que a coragem não é a ausência do desespero, mas a capacidade de seguir em frente apesar dele. 

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Compartilhar perguntas e causalidade mútua

Compartilhar perguntas e causalidade mútua

Quando questionada sobre como devemos nos posicionar no mundo e o que devemos fazer de útil, Joanna Macy disse:

“Eu não sei o que você deve fazer, divida essa questão com um grupo de pessoas.”

Para ela, o que deve ser feito precisa, antes, ser desenhado junto com uma comunidade. Afinal, este é o ‘nosso’ mundo e não apenas o ‘meu’ mundo.

Na sequência, quando questionada sobre como mudar o mundo, ela responde:

“Não queira mudar o mundo, faça algo que você ame.”

Para amar a vida é suficiente fazer algo em grupo como demonstração do nosso amor em simplesmente poder participar dessa grande aventura cósmica, planetária e humana. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Recobrar a atenção

Recobrar a atenção

A sociedade da informação — que por um lado ampliou a nossa capacidade de gerar sentido e inteligência coletiva — está ruindo uma das capacidades humanas mais fundamentais: a atenção.

Reclamamos da falta de tempo sem nos dar conta de que o que nos falta mesmo é atenção.

Para sustentarmos uma vida com significado é crucial sentirmos que estamos realizando novos potenciais: aprendendo novas habilidades, conhecimentos ou avançando no caminho de autodesenvolvimento.

Estes são trabalhos relevantes que requerem comprometimento e profundidade. E é absolutamente impossível estar em profundidade com uma atenção rasa.

A atenção é um aspecto central sobre o que significa ser humano e sobre a sua capacidade de ter alguma soberania sobre a sua presença na Terra.

Não é difícil perceber qual é o maior consumidor de atenção hoje. Os efeitos da interrupção constante e da atenção corrompida ficarão cada vez mais evidentes e não são saudáveis.

Precisamos recobrar a autoridade sobre a nossa atenção. Ela deve ser treinada. Devemos aprender a prestar atenção na qualidade da nossa atenção. Isso nos ajudará a fazer escolhas que envolve abrir mão daquilo que nos distrai tanto no espaço físico quanto virtual.

Assim, é possível ter presença para cultivar relações, gerar sentido sobre o que nos envolve e aproveitar uma oportunidade sem precedentes: a capacidade de colaborar com pessoas em todo o mundo e acessar conhecimentos e práticas com facilidade.

Sem atenção não é possível avançar muito. Ao ter a consciência de que a atenção é algo precioso e que deve ser cultivada entramos em um espaço poderoso onde cada pessoa pode escolher deliberadamente o seu caminho de evolução que pode revelar o seu maior potencial.

Você se torna aquilo em que dá atenção. E em uma economia onde a nossa atenção foi comoditizada, se você não escolher conscientemente onde colocar a sua atenção, alguém o fará por você.

O acesso à informação nós temos. Precisamos recobrar o acesso à nossa atenção.

Foto: Aperture Vintage

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Re-cerimonializar o mundo

Re-cerimonializar o mundo

Cerimônias de rito de passagem ricas em significados compartilhados culturalmente são parte do cotidiano dos povos indígenas e populações tradicionais. Elas são o marco de transições e transformações importantes e ajudam as pessoas a tomarem posse de seus dons singulares em benefício do bem comum. 

Elas costumam acontecer em momentos marcantes da biografia humana: no próprio nascimento, no fim da primeira infância, na puberdade, na entrada da fase adulta, no nascimento dos filhos, na incorporação de um novo papel familiar ou social, na entrada da velhice etc. E, em algumas tradições, acontecem também em momentos de crise em que nos foge a saúde ou a lembrança de quem somos, do que realmente importa e de como podemos servir ao mundo. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 1 comment
Uma pessoa é rica em proporção às coisas que pode dispensar

Uma pessoa é rica em proporção às coisas que pode dispensar

O mundo a nossa volta nos ensina a perseguir a felicidade da infância até a velhice. Ele diz que felicidade é sinônimo de sucesso. E oferece um protocolo de sucesso específico. Carreira progressiva e próspera, relacionamentos estáveis e família saudável, patrimônio e segurança financeira, um grau de conforto material que esbarra a ostentação e, ainda, diversão, aventura, novidade e mais e mais e mais. 

Acima de tudo, ele garante a felicidade para aqueles que criam as condições materiais necessárias para atender o máximo de desejos possível.

No entanto, estudos sobre a relação entre o PIB e a felicidade da população estadunidense demonstram que depois que necessidades materiais básicas são garantidas o crescimento econômico não confere necessariamente mais bem-estar à população. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Listas

Listas

Nós adoramos listas.

Elas estão por toda parte. E apresentá-las em um formato circular não faz com que ela deixe de ser uma.

Uma lista é uma sequência de elementos estáticos isolados muitas vezes lineares ou desconexos.

É o caminho preferencial de um modelo mental específico. É o sintoma de uma inteligência cega e a aparência de uma racionalidade treinada para o reducionismo.

Mas acontece que o mundo é dinâmico e complexo.

Claro que as listas possuem espaço e importância. Ao ir ao supermercado, faça uma lista de compras ou corra o risco de faltar algo importante.

Mas ao energizar uma equipe, não faça uma lista de características desejáveis. Ao orientar um projeto, não se apegue a uma lista de resultados. Ao se aprofundar em alguma área do conhecimento, não faça uma lista das principais ideias e conceitos.

Não sem explorar o relacionamento que existe naquilo que você observa.

Precisamos de modelos mentais que nos ajudam a enxergar relacionamentos e propriedades que emergem a partir da interação.

A vida é relacionamento. E o relacionamento é resultado de forças voláteis de atração.

Precisamos de melhores formas de organizar o pensamento, precisamos de quadros conceituais sistêmicos e dinâmicos.

Podemos nos alfabetizar em abordagens capazes essencializar o mundo complexo em diagramas relacionais que carregam consigo o potencial de nos informar para além da nossa capacidade de formular perguntas.

Em listas nós somos especialistas. Precisamos agora enxergar além delas.

Foto: Masaaki Komori

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments