As bases do paradigma regenerativo

 

Neste curso você conhecerá a mudança que o paradigma regenerativo sugere para as pessoas, organizações e grupos sociais — o que essa mudança implica e como ela acontece.

 

Um curso introdutório que constrói as bases do paradigma regenerativo enquanto movimento epistemológico e cultural. Fundamentado em ciências holísticas e na visão sistêmica da vida, o paradigma regenerativo emerge a partir de bases epistemológicas de vanguarda para responder às limitações e incoerências do desenvolvimento sustentável e da sustentabilidade tecnológica.

Na base da teoria de mudança da regeneração está a premissa de que temos a responsabilidade ética de cuidar dos sistemas socioecológicos da Terra nos valendo dos princípios de funcionamento dos sistemas vivos para informar nosso pensamento e para desenhar estratégias que contribuam para catalisar redes de cooperação local a serviço da regeneração ecológica e sociocultural dos territórios.

 


Programa

  • Visão geral
  • O que é regeneração?

Parte 1: Regeneração, uma nova narrativa cultural

Trata da emergência do paradigma regenerativo como resposta às limitações do desenvolvimento sustentável e da sustentabilidade ecológica

  • Evolução na discussão sobre sustentabilidade
  • Dois paradigmas de sustentabilidade: tecnológico e ecológico
  • Mudanças quanto à ideia de sustentabilidade: equilíbrio, resiliência e coevolução
  • Trajetória da sustentabilidade como prática de design
  • Emergência do paradigma regenerativo

Parte 2: As bases epistemológicas da regeneração

Contextualiza a emergência do paradigma regenerativo na mudança de paradigma científico-epistemológico do século XXI

  • Visão de mundo ecológica
  • Mecanicismo e holismo
  • Pensamento integral e living systems thinking
  • Regeneração, uma capacidade em sistemas vivos e um paradigma cultural

Parte 3: A prática regenerativa

Apresenta a teoria de mudança do desenvolvimento regenerativo

  • A teoria de mudança do desenvolvimento regenerativo
  • Regeneração sistêmica e participação apropriada
  • A natureza intrínseca do trabalho regenerativo
  • Primeiras mudanças para a prática regenerativa
  • Caminho das organizações regenerativas