Compreensão de padrões, compreensão da vida

Coevolução newsletter #12

O poder do entendimento dos sistemas vivos está em nos ensinar a ver padrões que se repetem e, desse modo, conseguir trabalhar efetivamente em meios e escalas muito diferentes.

É isso que Joel Glanzberg, do grupo Regenesis, demonstra quando diz que os padrões de troca que acontecem em nossos corpos são semelhantes aos de uma árvore, bacia hidrográfica, ecossistema ou economia. Assim, ao compreender os padrões de funcionamento de um desses sistemas, começamos a entender como todos eles funcionam.

Segundo Glanzberg, a compreensão da vida, o aspecto distintivo dos sistemas vivos, está especialmente na compreensão dos padrões. Diferente de sistemas mecânicos e lineares cujo comportamento se dá através de ação e reação, os sistemas vivos só podem ser compreendidos através de fluxos que, por sua vez, são compreensíveis apenas através do mapeamento de padrões.

Alguns dos princípios que informam padrões gerais em sistemas vivos são de que a vida é troca e processo, as trocas acontecem através de limites e fronteiras, e a ciclagem de um recurso é mais importante do que sua quantidade.

A fim de demonstrar cada um desses princípios, Glanzberg diz que todos os fenômenos vivos inspiram e expiram, ingerem e secretam resíduos, negociam interesses e necessidades e que deve haver diferenças entre quem troca de modo que haja algo para trocar e uma fronteira através da qual a troca acontece. Por exemplo, as árvores realizam trocas através da fronteira entre a terra e a atmosfera e o comércio internacional através das fronteiras nacionais.

Para exemplificar o padrão da ciclagem de recursos, ele diz que “os sistemas financeiro, hidrológico e circulatório dependem do ciclo contínuo de recursos para garantir o abastecimento adequado” onde é a troca contínua desses recursos que os tornam valiosos e o acúmulo deles uma demonstração de falha sistêmica. Por fim, vale a pena trazer nas palavras do próprio Glanzberg, a ideia de vida como processo:

“Todas as coisas vivas são como uma refeição de feriado, um mercado de fazendeiros ou um festival de música. Pessoas, dinheiro, idéias e comida convergem temporariamente para troca e diversão. Alguma coisa surge para aquela época, mas a troca e os relacionamentos são o ponto. O mesmo se aplica ao meu corpo, a uma árvore ou a uma cadeia de montanhas.”

Referência: Joel Glanzberg. Pattern Mind (blog pessoal). Acesso em 2021.

 


Compartilhe a Coevolução Newsletter com alguém.

Posted by Juliana Diniz

Através da conciliação entre desenvolvimento humano e social e a inteligência dos sistemas vivos, facilito processos de aprendizagem e transformação pessoal e coletiva que promovam a saúde planetária e protejam a memória biocultural da Terra.

Deixe uma resposta