Juliana Diniz

Através da conciliação entre desenvolvimento humano e social e a inteligência dos sistemas vivos, facilito processos de aprendizagem e transformação pessoal e coletiva que promovam a saúde planetária e protejam a memória biocultural da Terra.
Através da conciliação entre desenvolvimento humano e social e a inteligência dos sistemas vivos, facilito processos de aprendizagem e transformação pessoal e coletiva que promovam a saúde planetária e protejam a memória biocultural da Terra.

Auto-observação e auto-lembrança

Coevolução newsletter #8

Em uma de suas aulas sobre design informado por sistemas integrais e sistemas vivos, Bill Reed disse que a nossa existência se dá de três maneiras: automática, reativa ou intencional. Para a triste surpresa dos ouvintes, ele disse que “mesmo os grandes místicos foram intencionais e propositivos apenas 20% de suas vidas”.

O porquê dele falar sobre isso em uma aula sobre regeneração se deve ao fato de que sem intencionalidade e revisão de propósito não é possível construir uma mente que percebe como os padrões de vida se expressam nos encontros, projetos e paisagens e, assim, tampouco é possível regenerar a vida e os significados destes contextos.

Para uma aproximação da prática regenerativa, junto à alfabetização em como totalidades e sistemas vivos funcionam, é preciso estar em dia com a prática de perceber como se percebe, suspender padrões automáticos de pensamento e remodelar o próprio estado de ser. O Regenesis chamou essa prática de auto-observação e auto-lembrança. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

#22 Enfrentando os vícios da modernidade em direção a futuros decoloniais I com Camilla e Dino

Ouça no seu app favorito.

Neste episódio conversamos com a Camilla Cardoso e o Dino Siwek do projeto Terra Adentro e do coletivo Gestos Rumo a Futuros Decolonias. Nós convidamos para a conversa o grupo de estudo que eles estão conduzindo enquanto formação na pegagogia do GRFD e a comunidade de aprendizagem do IDR.

Terra Adentro é um projeto de investigação sobre as motivações e efeitos das crises sistêmicas que vivemos, buscando apontar para outras possibilidades de se viver e interagir no mundo.

A abordagem que informa o trabalho do coletivo GRFD envolve práticas pedagógicas e experimentos artísticos que visam estimular formas de viver capazes de nos engajar, ao invés de negar, com violências sistêmicas, com nossos entrelaçamentos e cumplicidade em danos e com os limites do planeta.

Nós conversamos sobre as origens e efeitos da modernidade-colonialidade, sobre vícios coloniais conscientes e inconscientes, sobre os radares que podemos utilizar para perceber a atuação desses vícios enquanto agimos, sobre a potência de abordagens e teorias de mudança não-prescritivas que incorporam capacidades exiladas pelo modo de ser moderno. E muito mais.

Eles trouxeram imagens, reflexões e convites presentes em muitas das cartografias elaboradas pelo GRFD e ressaltaram a importância de oferecer cuidados paliativos para um mundo em desmoronamento desinvestindo nas promessas da modernidade e investindo no reconhecimento visceralmente responsável das nossas cumplicidades em relação às violências sistêmicas.

Posted by Juliana Diniz in Podcast, 0 comments

As cinco dimensões da prática regenerativa

Coevolução newsletter #7

O que faz com que um projeto, empresa ou o comportamento de uma liderança seja melhor qualificado como regenerativo do que como sustentável, ecológico ou humano?

Esta não é uma pergunta simples, mas podemos dizer que a prática regenerativa está orientada para a transformação sistêmica. Essa direção faz com que o praticante precise ampliar o seu escopo de atuação para incluir aspectos que comumente não são considerados.

O Clear (Center for Living Environments and Regeneration), informado pelo trabalho do Regenesis e da Carol Sanford, sistematizou cinco dimensões de prática com as quais precisamos estar envolvidos para tornar e manter regenerativo o nosso trabalho. São elas: Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

Olhar dentro

Coevolução newsletter #6

A atenção ao lugar interno a partir do qual operamos é essencial para o desenvolvimento humano e é um pilar para o trabalho de design regenerativo. 

O desenho e a condução de projetos, processos e comunidades são influenciados diretamente pela qualidade da presença do facilitador. 

Quando o lugar de poder é externo, a realização ou a insatisfação pessoal ou o sucesso de um projeto estão condicionados às circunstâncias além do nosso controle e poder. Nesse sentido, o acaso, as estruturas sistêmicas e os comportamentos alheios costumam ser justificativas que damos para quando as coisas caminham na direção contrária daquela que gostaríamos. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

#21 Evolução, pensamento sistêmico e desenvolvimento regenerativo

Ouça no seu app favorito.

Esse episódio é uma edição da conversa que eu fiz com a Comunidade de Aprendizagem do Trabalho Que Reconecta anfitriada pelas queridas Polliana Zocche e Lia Beltrão.

No momento em que elas me convidaram, a comunidade estava trabalhando a fase ver com novos da espiral do Trabalho Que Reconecta. Ver com novos olhos sucede as fases de acordar a gratidão e honrar a dor, e depois dela é o momento de seguir adiante. Joanna Macy destaca o papel do pensamento sistêmico em ampliar nossas perspectivas sobre o que acontece ao nosso mundo e como responder apropriadamente a isso.

A fim de trazer uma nova visão, ou levar novos olhos ao mundo, eu apresentei o processo evolucionário cósmico como uma história com força mítica o suficiente para confrontar a narrativa de um paraíso científico-tecnológico-industrial que se pretende capaz de superar os aspectos complexo, ambíguo e impermanente da vida.

Evolução, emergência, sinergia foram alguns dos tópicos da primeira parte da conversa. Na segunda parte eu trouxe reflexões sobre como nós, através de nossos projetos, podemos facilitar a emergência de propriedades sistêmicas geradoras de saúde e resiliência nos lugares onde estamos.

Posted by Juliana Diniz in Podcast, 0 comments

Regenerar de dentro para fora

Coevolução newsletter #5

Neste email apresento alguns dos pontos-chave da próxima trilha de aprendizagem da nossa comunidade online, Atributos da liderança regenerativa.

Ela incorpora a premissa de que o trabalho regenerativo requer mais que um conjunto de habilidades ou competência técnica. O componente essencial desse trabalho é o desenvolvimento interior que ocorre enquanto fazemos nosso trabalho no mundo.

A regeneração de um sistema requer foco duplo no que podemos chamar de trabalho interno e trabalho externo do praticante regenerativo. Levando isso a sério, essa trilha nos ajudará a construir capacidades necessárias para assumir a tarefa altamente negligenciada de trabalhar regenerativamente de dentro para fora. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

Princípios orientadores

Os princípios descritos abaixo orientam a forma como queremos atravessar o ano de 2021 e anfitriar o Círculo Regenerativo, nossa comunidade de aprendizagem.

Um ciclo que se inicia é uma oportunidade de alinhamento das nossas ações com aquelas intenções que, a menos que sejam firmadas, nos escapam no cotidiano. Esclarecer para nós mesmos princípios orientadores tem um poder organizativo e cuida para que sigamos em uma direção de maior potencial.

O Círculo é resultado do desabrochar das nossas percepções acerca do que significa desenvolvimento, aprendizagem e comunidade. Os princípios abaixo sugerem uma ética de conexão com a vida e de realização humana que informa como queremos conduzir o Círculo e participar do mundo. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments

Desenvolvimento como princípio da vida

Coevolução newsletter #4

O conceito de desenvolvimento elaborado no âmbito da visão sistêmica da vida que informa o paradigma regenerativo é particular.

Neste email apresento o que significa desenvolvimento em um sistema vivo.

Sistemas vivos são onipresentes. Eles não se restringem a organismos vivos ou sistemas naturais. Eles incluem sistemas complexos dinâmicos tais como paisagens, territórios, comunidades e organizações humanas e projetos diversos.

Com isso, quero dizer que você pode usar as reflexões abaixo para informar diretrizes de ação para o seu projeto ou comunidade.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Coevolução newsletter, 0 comments

#20 Por que participar de uma comunidade de transformação? I com Polliana Zocche

Ouça no seu app favorito. 

Polliana Zocche estudou biologia e ecologia durante a graduação, o mestrado e o doutorado. Tem interesse pela ecologia do mundo e ecologia da mente e vem explorando isso com o Trabalho Que Reconecta. Faz parte da equipe da Revista Bodisatva e é caseira do O lugar.

Nessa conversa, Polli compartilhou das suas experiências nas diversas comunidades onde orbita e trouxe reflexões inspiradoras sobre a beleza das pequenas vitórias, sobre dar nascimento positivo às pessoas, sobre a liberdade da própria energia que é anterior e independente das frustrações e sobre criar espaços que abraçam processos emergentes na medida em que deixamos cair máscaras e certezas.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Podcast, 0 comments