saúde planetária

Saúde pessoal e saúde planetária

Saúde pessoal e saúde planetária

Como permanecer são em um mundo que queima?

Não há nada que façamos que não afete a integridade da Terra. 

Mais do que afetar, nós nos tornamos uma força que está alterando dramaticamente a estrutura e o funcionamento do planeta.

O comprometimento da saúde planetária está diretamente relacionado à saúde pessoal. 

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Texto rápido, 0 comments
Do Antropoceno ao Ecozóico

Do Antropoceno ao Ecozóico

[Este texto é parte do material de apoio da jornada Em busca da Visão – propósito pessoal a serviço de Gaia cuja versão online será lançada no começo de 2020]

A grande obra de cada tempo histórico

“Todos nós temos nosso trabalho particular. Temos uma variedade de ocupações. Mas além do trabalho que desempenhamos e da vida que levamos, temos uma Grande Obra na qual todos estamos envolvidos e da qual ninguém está isento: é a obra de deixar uma Era Cenozóica terminal e ingressar na nova Era Ecozóica na história do planeta Terra.” —  Thomas Berry

Para Thomas Berry, acadêmico da Terra como gostava de ser chamado, cada época histórica tem a sua grande obra. A grande obra do Paleolítico foi a expansão humana a partir da África. Este processo esteve associado à criação de linguagem, rituais e estruturas sociais pelas comunidades caçadoras-coletoras. A grande obra do Neolítico foi o estabelecimento de comunidades agrícolas em territórios socioecológicos cujas paisagens foram manejadas através da prática extrativista e agrícola. 

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
A separação ecológica

A separação ecológica

[Este texto é parte do material de apoio da jornada Em busca da Visão – propósito pessoal a serviço de Gaia cuja versão online será lançada no começo de 2020.]

Por todo o mundo as pessoas concordam que a civilização moderna está falida e que enfrentamos enormes desafios que nos exigem uma profunda mudança pessoal e social. Provavelmente não concordamos em relação às soluções, mas concordamos sobre os problemas. Podemos resumir os problemas do mundo em três cenários: a separação ecológica, a separação social e a separação espiritual¹.

A separação ecológica

A separação ecológica diz respeito à separação que existe entre o “eu” e a “natureza”. Nós, enquanto economia global, usamos anualmente os recursos naturais 1,5 mais rápido que a sua capacidade de regeneração. Isso quer dizer que estamos esgotando os recursos naturais a cada ano. Embora tenhamos apenas um planeta, deixamos uma pegada ecológica de 1,5 planetas. Estamos usando 50% mais recursos do que os sistemas vivos são capazes de regenerar para atender às nossas atuais necessidades de consumo.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Entre dois mundos

Entre dois mundos

Dois mundos coexistem. O dominante, com o qual estamos acostumados, é pautado pela dominação. Podemos chamá-lo de mundo da separação pois este acredita que todos os seres são separados e operam a partir do autointeresse. Desta forma, o que existe é um ambiente ferrenho de competição.

O outro, embrionário mas latente, é um mundo pautado pela integralidade e respeito à vida. Este reconhece que todos fazemos parte de uma teia viva e que somos interdependentes. Por isso, podemos chamá-lo de mundo do interser. Nele acreditamos que só é possível existir porque todas as outras coisas existem. Assim, temos um ambiente de cooperação rumo à coevolução dos sistemas vivos.

O agente de regeneração habita estes dois mundos. Quando olhamos para as tristezas do mundo da separação podemos ficar desesperançosos. É fácil sentir-se pequeno diante um mundo-monstro. Mas, mesmo assim somos compelidos a trabalhar neste lugar.

O trabalho que a liderança regenerativa desempenha no mundo da separação é o de resistência, reparo e cura. É a tentativa de impedir que um mal maior seja feito. É uma dura luta para frear a destruição.

A realidade do mundo da separação, no entanto, não invalida os avanços do mundo do interser. Coexistindo com todas as mazelas, há grandes líderes e iniciativas que são a materialização de um mundo melhor.

Viver entre dois mundos é aceitar a incerteza, a ambiguidade e a contradição da caminhada. É realizar o “trabalho de bombeiro” do ativista e ao mesmo tempo desempenhar o “trabalho de visionário” que constrói novos caminhos.

Trabalhar no mundo do interser é fazer o impossível. É operar a partir dos nossos corações e cultivar uma mente ampla e amorosa o suficiente para cuidar e nutrir iniciativas transformadoras.

Te convido, humildemente, a assumir o seu lugar. Nem lá, nem cá, entre dois mundos, abrindo trilhas desconhecidas, mostrando o caminho para um mundo mais bonito ao mesmo tempo em que cura e repara os danos já causados.

Foto: Sina Katirachi

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Terra, mosaico de biorregiões

Terra, mosaico de biorregiões

Ao longo da vida construímos a imagem da Terra como um bloco monolítico de superfície plana. Dificilmente conseguimos ter viva a imagem de estarmos gravitacionalmente conectados à superfície de um organismo superdiverso que dança no vazio cósmico.

A Terra não é um bloco. É um conjunto de regiões altamente diferenciadas e articuladas entre si. E cada um de nós fazemos parte de alguma de suas paisagens. Inevitavelmente, o lugar onde estamos é parte do que somos. Reciprocamente, alguma biorregião depende da nossa participação apropriada na sua ecologia.

Nesse sentido, o senso de não-pertencimento que alguns de nós carregamos está relacionado diretamente com a nossa falta de identificação com um lugar, uma paisagem, uma biorregião da qual somos parte. A qual biorregião você pertence?

O que são biorregiões?

A formação geológica, as condições climáticas e as formas de vida particulares que se expressam em um determinado lugar compõe o que chamamos de biorregiões. A Terra é um mosaico de biorregiões.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
A era ecológica (parte 3)

A era ecológica (parte 3)

Precisamos confrontar a força mítica da ilusão do paraíso industrial, superar o enfeitiçamento pelas cidades e indústrias e parar de terceirizar para a tecnologia as soluções que nos exigem autorresponsabilidade e mudança de paradigma

Essa sequência de três textos intitulados “A era ecológica” é inspirada pelas reflexões de Thomas Berry no livro “O sonho da Terra”. Ele é considerado um dos grandes nomes do pensamento ecológico. Exerceu os ofícios de sacerdote católico, historiador cultural, eco-teólogo e gostava de ser referido como cosmólogo e acadêmico da Terra.

Nos dois textos anteriores vimos que a era ecológica é uma passagem necessária da humanidade na Terra. A humanidade vive hoje a iniciação à sua fase adulta. Tornaremo-nos minimamente maduros em relação ao destino da Terra e à nossa participação nele na medida em que reconhecermos os princípios orientadores do cosmos e incorporamos a agenda de princípios para a era ecológica.

Mas, para que isso seja possível é fundamental superar o mito do paraíso industrial que nos faz pensar e agir como pensamos e agimos hoje. Esse mito nos faz crer que o desenvolvimento da humanidade deve acontecer mediante a intensificação modernizadora com avanço tecnológico e crescimento econômico infinito que vem com o saldo inevitável da devastação dos sistemas vivos.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
A era ecológica (parte 2)

A era ecológica (parte 2)

A relação “ser humano e Terra” e uma agenda de princípios orientadores para a era ecológica devem ter centralidade hoje

Essa sequência de três textos intitulados “A era ecológica” é inspirada pelas reflexões de Thomas Berry no livro “O sonho da Terra”. Ele é considerado um dos grandes nomes do pensamento ecológico. Exerceu os ofícios de sacerdote católico, historiador cultural, eco-teólogo e gostava de ser referido como cosmólogo e acadêmico da Terra.

Com um olhar profundo podemos perceber que todos os problemas sociais advém dos problemas da relação “ser humano e natureza”. O ímpeto por colonizar, dominar, explorar, dessubjetivar e desumanizar que se manifesta entre nós tem suas raízes na relação com a Terra.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
A era ecológica (parte 1)

A era ecológica (parte 1)

A era ecológica é uma passagem necessária da humanidade na Terra

Essa sequência de três textos intitulados “A era ecológica” é inspirada pelas reflexões de Thomas Berry no livro “O sonho da Terra”. Ele é considerado um dos grandes nomes do pensamento ecológico. Exerceu os ofícios de sacerdote católico, historiador cultural, eco-teólogo e gostava de ser referido como cosmólogo e acadêmico da Terra.

A maneira como temos escolhido habitar a Terra aponta sinais de fracasso. O “dia de sobrecarga da Terra”, isto é, o dia em que consumimos mais recursos do que a Terra é capaz de suprir e regenerar em um ano, acontece cada vez mais cedo. Em 2018 este dia foi 1 de Agosto. Nas tradições andinas, em 1 de Agosto é celebrado o dia em reverência à Pachamama.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Terra, um organismo vivo

Terra, um organismo vivo

A devastação dos sistemas de suporte à vida no planeta é sintomática da visão de mundo que orienta a civilização moderna, uma sociedade de crescimento industrial. 

O entendimento que se tem do planeta pode ser tão diverso quanto são as visões de mundo das comunidades humanas que dele fazem parte. O nosso entendimento sobre o que é e como funciona o planeta condiciona as relações que estabelecemos com ele e como nele atuamos. Diante dos atuais danos infligidos à Terra, é fundamental revisarmos a maneira como a entendemos para, assim, tornar possível uma participação mais apropriada da humanidade em seu organismo vivo.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Uma nova visão histórica da Terra e da humanidade

Uma nova visão histórica da Terra e da humanidade

O ritmo de vida instantâneo e egocentrado dos centros urbanos desconectou-nos de nossa história evolucionária enquanto espécie humana na Terra. Pouco sabemos sobre como chegamos a habitá-la e de sua história antes de nossa presença. Uma nova visão histórica que nos informe sobre o processo evolucionário da Terra e da consciência humana é fundamental para que possamos ter uma participação no mundo coerente com o nosso potencial humano e com a evolução de Gaia. Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 1 comment