Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.
Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.

Pensamento à montante

Coevolução newsletter #1

Vivemos uma grande crise, a crise do saber.

Muitos pensadores corroboram a afirmação de David Bohm de que “a fonte última dos nossos problemas está no pensamento em si”. Mas como superar essa limitação?

Edgar Morin discute que em nossa civilização “a causa profunda do erro não está no erro de fato (falsa percepção) ou no erro lógico (incoerência), mas no modo de organização de nosso saber em um sistema de ideias (teorias, ideologias)”.

A limitação do pensamento está nas estruturas cognitivas e organizativas que geram o pensamento em primeiro lugar. Você pode achar que está pensando seus próprios pensamentos, mas você não está. Como Krishnamurt sabiamente disse, “você está pensando os pensamentos da sua cultura”.

Nós só conseguimos refletir a partir de ideias, conceitos, mitos e quadros organizativos pré-concebidos. Estas estruturas cognitivas geram um paradigma associado, um jeito particular de conceber e interagir com o mundo. Nós herdamos esta estrutura e, a menos que haja um esforço consciente de libertação do pensamento colonizado, continuaremos pensando da mesma forma antiga e inadequada.

Mas como mudar o nosso pensamento quando ele opera de forma invisível na maior parte do tempo? Ben Haggard, do Grupo Regenesis, afirma que “a maioria dos esforços para mudar o pensamento foca no que é visível aos sentidos”. Estas são as nossas ideias, o que nós pensamos sobre em vez do processo do pensamento em si. Nós conseguimos ver os objetos do pensamento mas não conseguimos ver de onde ele surge ou como é gerado.

Mas para que um esforço de mudança traga um resultado significativo, Haggard completa, “é necessário trabalhar seriamente em como nós pensamos, reorientar o que nós pensamos sobre, no que prestamos atenção e consequentemente no que fazemos”.

O pensamento à jusante foca no que fazemos e é reativo. O pensamento à montante foca em como pensamos e é intencional.

O avanço do paradigma ecológico e de outras epistemologias propiciou o surgimento de novas estruturas de pensamento que são mais apropriadas para um mundo complexo, dinâmico e vivo.

O paradigma regenerativo utiliza uma coleção de princípios e quadros conceituais sistêmicos e dinâmicos que nos ajudam a refinar o nosso pensamento a partir da inteligência da vida. O conjunto destes quadros conceituais, ferramentas e narrativas formam um pensamento integrado que é fundamental para o trabalho regenerativo. Este pensamento nos ajuda a trabalhar com sistemas complexos sem fragmentá-los — uma capacidade essencial para nos engajarmos com o dinamismo do mundo vivo.

Alfabetizar-nos em quadros conceituais e princípios oriundos do paradigma regenerativo é uma das melhores formas de transformarmos o nosso pensamento e orientá-lo de acordo com a inteligência que permeia a evolução da vida.

Através desta newsletter vamos compartilhar com você alguns destes quadros conceituais e princípios importantes. Aos poucos um universo de possibilidades se abre e vamos deixando para trás antigos hábitos de pensamento que já não nos servem.

“Os maiores problemas do mundo são resultado da diferença entre como a natureza funciona e como as pessoas pensam.” — Gregory Bateson

Reflexões

  • A principal origem das múltiplas crises que vivemos está no pensamento em si.
  • A limitação do pensamento está nas estruturas cognitivas e organizativas que geram o pensamento em primeiro lugar.
  • Você não pensa os seus pensamentos, você pensa os pensamentos da sua cultura.
  • Mais importante do que pensar sobre o que pensamos é pensar sobre como pensamos.
  • O pensamento à jusante foca no que fazemos e é reativo. O pensamento à montante foca em como pensamos e é intencional.
  • Se alfabetizar em quadros conceituais oriundos do paradigma regenerativo é uma ótima forma de alinharmos o nosso pensamento com a inteligência da vida.
Posted by Felipe Tavares in Coevolução newsletter, 0 comments
O que faz uma comunidade vibrante e próspera?

O que faz uma comunidade vibrante e próspera?

Na primeira investigação coletiva que tivemos no Círculo Regenerativo, a nossa comunidade de prática online, nos perguntamos: O que faz uma comunidade vibrante?

Foi muito bonito estar em um espaço com uma riqueza enorme de perspectivas e experiências de vida. Ficou claro a potência de nos juntarmos para refletirmos sobre coisas que importam.

Neste texto eu trago os aprendizados que tive a partir das reflexões das pessoas presentes no encontro.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 1 comment

O avanço do paradigma regenerativo

A regeneração — em sua multiplicidade — está florescendo e ganhando importância em um ritmo muito mais acelerado do que poderíamos prever.

Alguns sinais nos mostram que a narrativa regenerativa quebrou barreiras culturais significativas e continua despertando o interesse em diferentes espaços.

A publicação do livro Design de culturas regenerativas em 2019 pela Editora Bambual e sua rápida aceitação pelo público ampliou consideravelmente o alcance do movimento no Brasil.

A discussão cresceu impulsionada por entusiastas como nós do IDR que publicamos mais de 120 artigos, textos rápidos e podcasts; pelo grupo Design Regenerativo no facebook idealizado pela Flavia Vivacka com quase três mil membros; pelas excelentes comunicadoras do Futuro Possível e mais e mais ativadores que chegam a cada dia.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 2 comments
A maior riqueza humana

A maior riqueza humana

A maior riqueza humana é pertencer a uma comunidade vibrante e amorosa.

Uma comunidade é um grupo de pessoas que se preocupam genuinamente com o bem estar uns dos outros.

É uma oportunidade para praticar o cuidado desinteressado e enxergar no outro os seus próprios desajustes.

É um espaço de crescimento e autorrealização, de regozijo e do trabalho árduo de diluir o ego-vivente.

Estar em comunidade é um privilégio e uma penitência.

É um círculo de fortalecimento dos seus valores e de experimentação da sua própria fragilidade.

É um exercício de apoio mútuo e uma prática de expansão das nossas capacidades sensoriais.

Uma comunidade vibrante e amorosa é uma oportunidade para sermos humanos juntos de um jeito diferente.

É a prática do nosso ser relacional.

É uma oportunidade para interser.

Foto: Rita Vicari

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments

#18 A nossa relação com o tempo

Ouça no seu app favorito.

O momento singular que vivemos em decorrência da pandemia nos colocou em uma outra relação com o tempo.

Mas o que é o tempo? Por que aprofundar nesta discussão é importante?

Como revelar nuances coloniais e estruturas dominadoras no entendimento dominante sobre o tempo?

Como outras perspectivas sobre o tempo pode nos ajudar a ganhar autonomia sobre as nossas próprias vidas?

Perguntas como essas permearam a nossa conversa com o Gustavo Nogueira, fundador da Torus Laboratório do Tempo.

Vamos?

Posted by Felipe Tavares in Podcast, 0 comments
Recobrar a atenção

Recobrar a atenção

A sociedade da informação — que por um lado ampliou a nossa capacidade de gerar sentido e inteligência coletiva — está ruindo uma das capacidades humanas mais fundamentais: a atenção.

Reclamamos da falta de tempo sem nos dar conta de que o que nos falta mesmo é atenção.

Para sustentarmos uma vida com significado é crucial sentirmos que estamos realizando novos potenciais: aprendendo novas habilidades, conhecimentos ou avançando no caminho de autodesenvolvimento.

Estes são trabalhos relevantes que requerem comprometimento e profundidade. E é absolutamente impossível estar em profundidade com uma atenção rasa.

A atenção é um aspecto central sobre o que significa ser humano e sobre a sua capacidade de ter alguma soberania sobre a sua presença na Terra.

Não é difícil perceber qual é o maior consumidor de atenção hoje. Os efeitos da interrupção constante e da atenção corrompida ficarão cada vez mais evidentes e não são saudáveis.

Precisamos recobrar a autoridade sobre a nossa atenção. Ela deve ser treinada. Devemos aprender a prestar atenção na qualidade da nossa atenção. Isso nos ajudará a fazer escolhas que envolve abrir mão daquilo que nos distrai tanto no espaço físico quanto virtual.

Assim, é possível ter presença para cultivar relações, gerar sentido sobre o que nos envolve e aproveitar uma oportunidade sem precedentes: a capacidade de colaborar com pessoas em todo o mundo e acessar conhecimentos e práticas com facilidade.

Sem atenção não é possível avançar muito. Ao ter a consciência de que a atenção é algo precioso e que deve ser cultivada entramos em um espaço poderoso onde cada pessoa pode escolher deliberadamente o seu caminho de evolução que pode revelar o seu maior potencial.

Você se torna aquilo em que dá atenção. E em uma economia onde a nossa atenção foi comoditizada, se você não escolher conscientemente onde colocar a sua atenção, alguém o fará por você.

O acesso à informação nós temos. Precisamos recobrar o acesso à nossa atenção.

Foto: Aperture Vintage

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments

#17 Pólen, moeda ecológica local

Ouça no seu app favorito.

Neste episódio conversamos com o Bernardo Marquez, fundador da Ecolabora, uma empresa de compostagem e boas práticas lixo zero.

O Bernardo deu o pontapé inicial na criação do Pólen, que funciona de forma horizontal e autogestionada. Nesta conversa abordamos o processo de criação, os seus desdobramentos, aprendizados e fizemos reflexões relevantes sobre o contexto econômico atual e as possibilidades de conferir resiliência e coesão à comunidades locais através da moeda complementar.

Posted by Felipe Tavares in Podcast, 0 comments
Listas

Listas

Nós adoramos listas.

Elas estão por toda parte. E apresentá-las em um formato circular não faz com que ela deixe de ser uma.

Uma lista é uma sequência de elementos estáticos isolados muitas vezes lineares ou desconexos.

É o caminho preferencial de um modelo mental específico. É o sintoma de uma inteligência cega e a aparência de uma racionalidade treinada para o reducionismo.

Mas acontece que o mundo é dinâmico e complexo.

Claro que as listas possuem espaço e importância. Ao ir ao supermercado, faça uma lista de compras ou corra o risco de faltar algo importante.

Mas ao energizar uma equipe, não faça uma lista de características desejáveis. Ao orientar um projeto, não se apegue a uma lista de resultados. Ao se aprofundar em alguma área do conhecimento, não faça uma lista das principais ideias e conceitos.

Não sem explorar o relacionamento que existe naquilo que você observa.

Precisamos de modelos mentais que nos ajudam a enxergar relacionamentos e propriedades que emergem a partir da interação.

A vida é relacionamento. E o relacionamento é resultado de forças voláteis de atração.

Precisamos de melhores formas de organizar o pensamento, precisamos de quadros conceituais sistêmicos e dinâmicos.

Podemos nos alfabetizar em abordagens capazes essencializar o mundo complexo em diagramas relacionais que carregam consigo o potencial de nos informar para além da nossa capacidade de formular perguntas.

Em listas nós somos especialistas. Precisamos agora enxergar além delas.

Foto: Masaaki Komori

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
E se pudéssemos?

E se pudéssemos?

A crise múltipla que estamos vivendo não vai a lugar algum tão cedo. O efeito dominó está em seu início e a crise econômica e política ainda vai se agravar bastante.

Quando a pandemia de Covid-19 começar a parecer algo do passado, estaremos perto de um próximo choque “inesperado”.

Eu gostaria de parecer otimista — de fato, me considero um — mas o otimismo cego nos mata de fome na fila do pão. Melhor o otimismo realista capaz de enxergar os sinais de um mundo desmantelado e ainda acreditar que podemos encontrar caminhos de resiliência e vitalidade.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments