Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.
Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.
A Tétrade

A Tétrade

Uma ferramenta sistêmica para a mudança de ordem

O principal objetivo de atividades estruturadas é a mudança de ordem. Precisamos transformar algo simples em algo mais complexo e ordenado. Ao cozinhar transformamos alimentos não preparados em uma refeição. Ao tecer fazemos de fios tramas complexas e úteis. Atividades cognitivas seguem a mesma lógica: conferimos sentido à símbolos e transformamos percepções em aprendizados. Estas atividades são estruturadas. Elas possuem uma intenção clara e são organizadas para que uma mudança ocorra.

Acontece que geralmente lidamos com os nossos projetos, como empreender ou se formar, com pouca clareza e orientação. E isso é meio caminho andado para resultados abaixo da nossa expectativa.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Crise de percepção

Crise de percepção

As crises ecológica, social e econômica não são crises distintas e separadas, mas diferentes expressões de uma só: a crise de percepção.

Vivemos um paradoxo: nos orgulhamos da racionalidade humana e dos feitos tecnológicos, mas é esse mesmo pensamento a causa dos nossos maiores problemas. Esta é a tese central do autor Fritjof Capra e de outros pensadores.

A mentalidade dominante da sociedade hoje possui origem no encantamento com a máquina. Esta foi uma grande novidade e motivo de fascínio: “um instrumento grandioso fruto da racionalidade humana que irá solucionar muitos problemas e aliviar o sofrimento das pessoas”. Hoje, essa abordagem ainda sustenta manchetes como “Esta gigantesca máquina que remove CO2 do ar poderá transformar a luta contra a mudança climática”.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
O seu projeto é a sua revelação

O seu projeto é a sua revelação

O seu projeto não é apenas um projeto. Não é a soma das plantas baixas das suas edificações e nem o conjunto de suas diretrizes internas. Não é a sua cadeia de produção e nem o serviço que você presta.

A sua empresa ou organização não é apenas isso: uma empresa ou uma organização. Ela é a expressão última do seu ser. É o reflexo das suas percepções básicas sobre o mundo, das suas ideologias invisíveis e do seu sistema de crenças. Ela é a sua assinatura energética, a sua declaração de visão e o seu voto de confiança. É a sua maior contribuição para o futuro que você ajuda a construir hoje.

O seu projeto é muito mais do que um projeto. É o seu veículo de liderança, o seu instrumento para a transformação e o seu desejo revelado. É a história que você conta e é o que diz para o mundo sobre as histórias que você acredita. O seu projeto é a sua revelação, é a sua história, as marcas da sua evolução e a trilha da sua caminhada.

A todo momento precisamos escolher. Hoje você pode escolher contar uma nova história. Pode reinventar o seu projeto e transformar o seu futuro. Pode alinhar a sua ação com aquilo que você acredita que há de melhor em você. Pode começar a construção do legado que amanhã irá te orgulhar.

Foto: Quino Al

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Um mundo vivo

Um mundo vivo

Não só fazemos parte de uma teia viva como o planeta em si é uma entidade viva: Gaia. Essa percepção nos dá uma nova motivação enquanto sociedade. Os nossos dons e talentos — cultura e tecnologia, por exemplo — ganham um novo sentido.

Não mais temos que impor o nosso design no mundo através da dominação pois reconhecemos que existe uma inteligência viva. O mundo deixa de ser uma aleatoriedade errante e passa a ser um organismo vivo e inteligente. O planeta passa a ter uma essência e um sonho.

O nosso papel, então, é contribuir para a realização deste sonho. Abdicamos do nosso ímpeto colonizador, aquele que quer conhecer para dominar, e reconhecemos Gaia. Ao reconhecer Gaia, nos percebemos enquanto co-criadores da vida.

O nosso objetivo, então, é participar de forma apropriada. Observar, ouvir, sentir, pensar… para então contribuir. Contribuir com Gaia, que é, de fato, contribuir com nós mesmos.

Foto: Christopher Alvarenga

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Aprender a desaprender

Aprender a desaprender

Para que aprendizados profundos ocorram, aqueles que mudam vidas e organizações, é necessário aprender a desaprender.

Nós aprendemos sobre como o mundo funciona, qual a nossa identidade, quais sonhos são válidos e como devemos nos comportar. Isso nos dá uma estrutura que sustenta as nossas opiniões. Precisamos abalar essa estrutura.

É preciso cultivar a desaprendizagem, dissolver a rigidez e abrir espaço para novas percepções. Desaprender talvez seja o maior aprendizado — esquecer o velho e inadequado para alinhar-se com o futuro.

Isso porque ao desaprender damos as boas vindas à reinvenção. Podemos fazer isso nos dando conta de que encaramos o mundo através de uma lente específica — que herdamos hábitos e protocolos de concepções ultrapassadas — e assim suspender essas premissas, reavaliá-las e escolher a direção que nos faz sentido.

Somando-se a isso temos outro elemento importante: a urgência. Os tempos são urgentes, vamos desacelerar. Este é o conselho contraintuitivo do autor Bayo Akomolafe. O mundo clama por transformações urgentes. Vamos então nos aquietar. A pressa por respostas tece o problema junto à solução. Então não tenha pressa.

Assim, desacelerar abre espaço para o desaprender. Desaprender abre espaço para melhores perguntas que, por sua vez, geram respostas condizentes com os desafios de nosso tempo.

Partindo do ensinamento de Bayo, podemos dizer: O conhecimento é a maior riqueza da humanidade, vamos desaprender.

Foto: Ivan Bandura

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Vamos conseguir?

Vamos conseguir?

Seremos capazes de superar os desafios de nosso tempo e construir um mundo viável? Não é tarde demais? Difícil demais?

Esta é uma indagação comum dos agentes de transformação. E quando dirigida a mim, eu respondo: não importa.

Não me interessa calcular as chances da humanidade sair da armadilha que criou para si. Não me interessa nem mesmo sustentar a civilização como está.

Mas me interessa contribuir a partir da minha melhor visão. Isso porque sei que o futuro se faz a partir de sucessivos presentes. E viver hoje da forma como acreditamos que devemos viver, desafiando tudo o que há de ruim a nossa volta, é por si só uma vitória maravilhosa.

A salvação da humanidade, esta tarefa colossal, não cabe a nós. Isso é um equívoco. Não é este o nosso objetivo.

O nosso objetivo é criar ilhas de sanidade em um mar de intolerância, egoísmo e ganância.

Você pode, com a influência que possui, criar espaços potentes para trabalhar e vivenciar aquilo que você acredita ser a melhor expressão da humanidade. Você pode viver o futuro hoje.

Em tempos incertos, quem escolhemos ser?

Foto: Clkraus

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
A ponte

A ponte

O desenvolvimento regenerativo é fascinante. Ele resolve, no seu contexto, um paradoxo chave e abre caminhos para a construção de um mundo viável. Vou explicar.

Existe um vão. De um lado há uma terra fértil para ideias inovadoras. Esta é a casa de pensadores extraordinários e a maior preocupação destas pessoas é captar a inteligência da vida.

Estes mestres perceberam que os maiores problemas do mundo possuem origem no pensamento em si. Assim, dedicam as suas vidas a entenderem as falhas da visão de mundo dominante para que seja possível fundamentar um novo pensamento. Esta é a construção de uma nova ciência para orientar a sociedade: a visão de mundo dos sistemas vivos.

Do outro lado deste vão há uma paisagem árida e rochosa que pede por intervenção direta. Este lado abriga os fazedores. São idealistas que acreditam que um mundo mais bonito é possível e que para realizá-lo é preciso construí-lo ativamente, parte por parte, agora.

Assim, dedicam as suas vidas edificar paisagens sociais harmônicas: realizam projetos transformadores, fazem conexões e viabilizam a transformação. Com suor e lágrimas tornam realidade uma visão inovadora.

Acontece que entre a teoria e a prática regenerativa existe um obstáculo natural, este vão, que surge a partir da natureza distinta entre estas duas atividades: o pensar e o agir. Mas, sabemos que teoria e prática são complementares indissociáveis. Assim, um nunca estará completo sem a presença do outro. Precisamos, então, de uma ponte que os conecte.

Esta ponte precisa estar bem ancorada no solo fértil das ideias e no solo rochoso da prática. Ela deve ser robusta, generosa e testada. Deve existir uma via de mão dupla onde as ideias fluam para a ação e a ação esteja fundamentada em uma boa teoria.

E é aqui que o desenvolvimento regenerativo se mostra indispensável e fascinante. Este é um método de concepção e execução de projetos capaz de internalizar as teorias mais avançadas do pensamento ecológico e transformá-las em princípios e quadros conceituais capazes de orientar a prática. É a ponte que conecta o pensar e o fazer.

O praticante familiarizado com esta metodologia é capaz de enxergar e captar os princípios básicos de organização da vida. É capaz, também, de transformar estes princípios em diretrizes que vão materializar esta visão inovadora no projeto em que se está trabalhando.

Além de pensar de forma holística é necessário trabalhar de forma holística. Para tanto, precisamos de um método coerente, honesto e robusto. E esta é a contribuição única do desenvolvimento regenerativo.

Foto: Federico Beccari

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Entre dois mundos

Entre dois mundos

Dois mundos coexistem. O dominante, com o qual estamos acostumados, é pautado pela dominação. Podemos chamá-lo de mundo da separação pois este acredita que todos os seres são separados e operam a partir do autointeresse. Desta forma, o que existe é um ambiente ferrenho de competição.

O outro, embrionário mas latente, é um mundo pautado pela integralidade e respeito à vida. Este reconhece que todos fazemos parte de uma teia viva e que somos interdependentes. Por isso, podemos chamá-lo de mundo do interser. Nele acreditamos que só é possível existir porque todas as outras coisas existem. Assim, temos um ambiente de cooperação rumo à coevolução dos sistemas vivos.

O agente de regeneração habita estes dois mundos. Quando olhamos para as tristezas do mundo da separação podemos ficar desesperançosos. É fácil sentir-se pequeno diante um mundo-monstro. Mas, mesmo assim somos compelidos a trabalhar neste lugar.

O trabalho que a liderança regenerativa desempenha no mundo da separação é o de resistência, reparo e cura. É a tentativa de impedir que um mal maior seja feito. É uma dura luta para frear a destruição.

A realidade do mundo da separação, no entanto, não invalida os avanços do mundo do interser. Coexistindo com todas as mazelas, há grandes líderes e iniciativas que são a materialização de um mundo melhor.

Viver entre dois mundos é aceitar a incerteza, a ambiguidade e a contradição da caminhada. É realizar o “trabalho de bombeiro” do ativista e ao mesmo tempo desempenhar o “trabalho de visionário” que constrói novos caminhos.

Trabalhar no mundo do interser é fazer o impossível. É operar a partir dos nossos corações e cultivar uma mente ampla e amorosa o suficiente para cuidar e nutrir iniciativas transformadoras.

Te convido, humildemente, a assumir o seu lugar. Nem lá, nem cá, entre dois mundos, abrindo trilhas desconhecidas, mostrando o caminho para um mundo mais bonito ao mesmo tempo em que cura e repara os danos já causados.

Foto: Sina Katirachi

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
O grito

O grito

Em silêncio é possível ouvir o grito da Terra.

A atenção e o cuidado, grandes expressões do feminino, não surge da percepção externa — nem mesmo do cair da floresta — surge de um lugar pouco frequentado: as profundezas do ser humano.

O desabrochar da sensibilidade humana é o desabrochar da Terra. O interesse humano por humanidade e a busca de coerência ecológica, do cuidado com a casa comum, surge a partir do autointeresse de Gaia. Este é o seu despertar, dentro de nós.

Acorde e veja: você é os olhos da Terra.

Foto: Eva Waardenburg

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Liderança regenerativa

Liderança regenerativa

Para alcançarmos um futuro próspero, mais do que fazer as coisas diferente, é necessário redefinir a presença humana na Terra.

A regeneração é uma proposta de harmonização das atividades humanas com a inteligência dos sistemas vivos. Porém, a curva de aprendizagem envolvida nessa mudança é longa.

Precisamos de pessoas que nos mostrem caminhos para um futuro viável e que nos ajudem a embarcar em uma jornada de transformação. Precisamos de pessoas que assumam a responsabilidade de liderar a partir de um propósito coletivo e cuja motivação seja sanar as dores de Gaia.

A essas pessoas nós podemos dar o nome de líderes regenerativos.

Uma liderança regenerativa se expressa de diferentes maneiras a depender de seu arquétipo pessoal: como a guerreira comprometida em conter a destruição ecossocial, a curadora sensível capaz de curar as dores da Terra ou a professora motivada em transformar a percepção da realidade. Todas, no entanto, possuem uma orientação comum: reparar os danos socioambientais causados pela atividade humana e devolver uma visão de futuro próspero à humanidade.

A jornada da liderança regenerativa começa nas profundezas do lugar mais temeroso que podemos acessar. Ela começa dentro de nós mesmos.

Guiados pela premissa de que não é possível realizar a transformação que queremos para o mundo sem antes realizarmos a transformação interior de como pensamos e de quem somos capazes de ser, a liderança regenerativa cruza limiares obscuros e caminha no fio da navalha da consciência humana.

A transformação pessoal inspira a transformação coletiva. E tudo o que nós queremos é estar com pessoas que nos inspiram a ser a melhor versão de nós mesmos.

O mundo precisa de lideranças regenerativas e te convida a realizar o seu maior potencial: o de servir às necessidades da Terra e inspirar outras pessoas a fazer o mesmo.

Você é importante demais para não ser você mesma.

Foto: Christopher Burns

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments