Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.
Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.
Coronavírus e o futuro em disputa

Coronavírus e o futuro em disputa

03/04/2020

Bem-vindos à intimidade latente do colapso global

Já está claro que o mundo não será o mesmo. A cultura, as instituições e as pessoas estão sendo profundamente afetadas. A pandemia nos atravessa e não há dúvidas que sairemos diferentes. Nos resta saber, agora, se sairemos seres humanos melhores ou piores.

Neste texto eu exploro o não saber e a incerteza, a necessidade de honrar a dor e não correr para saídas rápidas, o luto coletivo, o surgimento de uma nova janela de possibilidades, o futuro em disputa, a inteligência cega, o risco do totalitarismo e a mentalidade da guerra, a imaginação, a geração de sentido, o interser e futuros possíveis.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 5 comments

#10 Do colapso civilizatório a sistemas humanos resilientes | com Jerome Sensier

Ouça no seu app favorito.

Jerome Sensier é francês e mora no Brasil há quatro anos. Ele é geógrafo-urbanista de formação e pesquisador independente dos temas: crises climáticas e energéticas e risco de colapso sistêmico da sociedade industrial. Nos últimos anos, se engajou com a Permacultura, novos sistemas de governança e gestão de projetos. No início de 2019, junto com o cineasta Victor Mal, criou a Rizomar — uma associação sem fins lucrativos que fomenta a resiliência local em escala biorregional pensando estratégias transversais e inovadoras para fazer frente ao paradigma de escassez e instabilidade que estamos vivendo.

Dentro da Rizomar, a iniciativa “Corra para o verde” apoia o processo de pessoas interessadas em realizar a transição para o campo. Eles direcionam as pessoas para biorregiões refúgio — territórios que apresentam características propícias para resiliência local — e as auxiliam desde a compra da terra até a construção de um projeto de permanência.

Para saber mais sobre a Rizomar assista a este webinário e demonstre o seu interesse aqui.

Posted by Felipe Tavares in Podcast, 0 comments
A dança da floresta

A dança da floresta

E o que podemos aprender enquanto humanos e humanidade

A floresta revela uma inteligência bela e sutil. É um sistema de alta sinergia onde o interesse particular de uma espécie está em harmonia e contribui para a evolução da floresta como um todo. É uma dança harmoniosa de revelar-se e de criar condições para que outros seres também possam se revelar.

Temos na floresta, de forma simplificada, a cada momento do seu estágio de evolução, plantas com duas essências particulares: aquelas que criam e aquelas que são criadas. As árvores nunca ocorrem de forma isolada. Elas só existem pois estão em um relacionamento simbiótico profundo com outras plantas e animais.

Assim, observamos um padrão onde determinadas espécies criam as condições para que outras espécies possam prosperar. Ou seja, espécies criadoras suportam condições adversas e contribuem para a melhoria do ambiente de forma que espécies mais exigentes, as criadas, possam revelar o seu potencial. É a vida criando condições propícias para a vida em um maior nível de organização e complexidade. É a evolução dirigida por relações sinérgicas.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments

#8 Em busca de um novo órgão de percepção | com Juliana Diniz

Ouça no seu app favorito.

Neste episódio damos boas vindas à Juliana Diniz, co-fundadora do IDR, onde cuida da primeira e segunda linha de trabalho do desenvolvimento regenerativo: as competências necessárias ao praticante regenerativo e a construção de campos vitalizadores nas equipes de trabalho. Além disso, ela fundamenta as bases filosóficas do IDR a partir dos seus estudos e experiências em fenomenologia, antroposofia, salutogênese, ecologia profunda e ecopsicologia, paradigma decolonial e não-violência. Aqui ela compartilha a sua trajetória a partir de quatro grandes rios por onde flui a sua vida e trabalho: cosmovisões não ocidentais; ecofilosofia; desenvolvimento humano; facilitação de grupos e desenho de projetos.

Posted by Felipe Tavares in Podcast, 0 comments
Emergência e uma nova história do universo e da civilização

Emergência e uma nova história do universo e da civilização

Este texto é a transcrição de uma palestra inspiradora do filósofo e empreendedor Daniel Schmachtenberger, co-fundador da Neurohacker Collective.

Nesta fala Daniel explora como o fenômeno da emergência, a partir de uma interseção de diferentes ciências, pode informar uma nova história para o universo e para a humanidade. Ao entender os seres humanos como parte de um processo evolucionário dotados de consciência auto-reflexiva, podemos nos colocar como agentes conscientes da evolução e definir intenções para a humanidade que seja ao mesmo tempo harmoniosa para toda a comunidade de vida de um planeta profundamente interconectado. Esta narrativa, muito bem tecida e fundamentada, constrói as bases para o que podemos chamar de Culturas Regenerativas.

Assista ao vídeo original e veja a transcrição em inglês feita pelo site Inside Out. 


O que eu quero falar hoje é o que é a emergência como um fenômeno, como uma propriedade que é realmente essencial para entender a natureza do universo em que vivemos — essencial para entender o que significa ser humano e essencial para entender a base do significado da ética e do existencialismo — e também o que isso indica para o futuro da civilização abordando algumas coisas que são preocupantes e excitantes ao mesmo tempo. Você pode considerar essa conversa como uma espécie de ode extemporânea e divagante ao fenômeno da emergência em si — um tipo de conversa de amor sobre o quão fantástico é o universo possuir essa propriedade e que nós podemos entendê-la e participar no fenômeno.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 0 comments
O que é o Desenvolvimento e Design Regenerativo e como ele pode (ou não) te ajudar

O que é o Desenvolvimento e Design Regenerativo e como ele pode (ou não) te ajudar

O Desenvolvimento e Design Regenerativo (DDR), concebido pelo Grupo Regenesis, é uma metodologia de gestão de projetos orientada pela visão sistêmica da vida.

Sendo um método, é um conjunto de conceitos, frameworks e práticas agrupados de forma coerente formando um arcabouço teórico robusto com a finalidade de conduzir a concepção e a execução de projetos.

Sendo uma metodologia orientada pela visão sistêmica da vida, o DDR possui uma forma particular de enxergar o mundo, os seres humanos e o papel destes na teia da vida. Essa visão de mundo particular implica a superação de um modelo mental antigo, que pode ser chamado de paradigma mecanicista, e convida uma nova perspectiva, o paradigma ecológico ou a visão sistêmica da vida. Essa mudança de paradigma é acompanhada de uma mudança de práticas.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 0 comments

#7 Equilíbrio, resiliência e coevolução

Ouça no seu app favorito.

O entendimento sobre o conceito de sustentabilidade está em evolução. Do equilíbrio estático para a coevolução dinâmica há muitas rupturas e evolução do pensamento. Neste episódio eu faço a leitura do artigo “Mudanças no entendimento sobre a sustentabilidade — equilíbrio, resiliência e coevolução”. Com isso poderemos ter uma clareza maior sobre os diferentes entendimentos da sustentabilidade e das bases teóricas para a abordagem regenerativa do desenvolvimento.

Para acessar a página do curso de introdução ao desenvolvimento regenerativo clique aqui.

Posted by Felipe Tavares in Podcast, 0 comments
Participação

Participação

A participação não é uma escolha.

Estamos fadados à participar da dança da vida, essa grande teia de relacionamentos interdependentes.

Podemos, porém, escolher como participar.

Isso significa que tudo o que fazemos ou deixamos de fazer importa. Significa que as nossas escolhas importam.

Mas para que haja a possibilidade da escolha é necessário o exercício do discernimento.

Um antigo ditado ensina que “se a única ferramenta que você tem é um martelo, tudo começa a se parecer com um prego”.

Se os únicos modelos mentais que você possui são aqueles que nos colocaram em risco existencial, as suas soluções vão provavelmente agravar o problema.

Precisamos nos alfabetizar na ciência da evolução dos sistemas vivos.

Podemos escolher participar como sendo um sistema vivo em coevolução mutualística com todos os outros seres.

O desenvolvimento e design regenerativo é um método alinhado com a inteligência da vida que nos ajuda a participar de forma apropriada.

Felizmente, no começo de 2020, poderemos estar juntos presencialmente para trabalharmos a nossa participação e a participação dos nossos projetos.

O curso de introdução ao desenvolvimento regenerativo será oferecido em Uberlândia, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília.

Se este for um bom momento, será uma honra e um prazer estarmos juntos.

Foto: William Recino

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Investimento regenerativo

Investimento regenerativo

Todo trabalho que realizamos mobiliza um esforço. Este esforço é um investimento, é um aporte de energia em algo do qual esperamos obter um retorno futuro. Este “algo” que criamos com um investimento, envolvendo dinheiro ou não, pode ser chamado de ativo.

A permacultura nos ajuda a entender estes investimentos a partir de três categorias. A primeira é o investimento degenerativo. Assim que o investimento foi feito o ativo criado começa a se deteriorar. Para que este se mantenha funcional é necessário um aporte contínuo de novos investimentos. Além disso, esses ativos comprometem a saúde local ao criar benefícios de curto prazo através da extração e esgotamento dos recursos do sistema. Em outras palavras: o sistema como um todo é empobrecido e o valor gerado pelo ativo sempre está em decadência. Exemplos disso são carros, estradas e prédios. Apesar de necessários, se tivermos um excesso desses “ativos” em um projeto ou região estes irão empobrecê-lo a longo prazo. Ao final o recurso investido é degenerado, ou seja, não retorna.

A próxima é o investimento generativo. Neste tipo de investimento você coloca o recurso em uma atividade e obtém um retorno proporcional ao investimento feito. A agricultura anual se comporta desta maneira. Após todo o investimento inicial você recebe o benefício da colheita mas retorna ao ponto de partida. Para que esta atividade gere mais recursos ou benefícios é necessário um novo investimento semelhante ao anterior. Isto é um investimento generativo: você coloca recurso, você retira, e então está no mesmo lugar de onde partiu.

Outra forma de entender os investimentos generativos é que estes nos permitem economizar recursos e necessitam de pouca manutenção ao longo do tempo. Estes ativos necessitam de um investimento inicial, não nos oferecem um lucro direto mas economizam mais energia em seu ciclo de vida do que foi necessário para criá-lo. As ferramentas são bons exemplos: elas facilitam e otimizam as nossas atividades e podem ser utilizadas para criar coisas úteis e até mesmo consertar outras ferramentas. Placas solares e biodigestores também são exemplos de investimento generativo pois economizam ou geram mais energia do que foi necessário investir para obtê-la.

O terceiro tipo é o investimento regenerativo. A sua principal característica é que ele melhora e aumenta o seu valor ao longo do tempo. Um bom exemplo é uma árvore ou uma agrofloresta. Com o passar do tempo a manutenção diminui enquanto a colheita aumenta. Em um dado momento o retorno é muito maior do que o investimento inicial. Este é o tipo de investimento que queremos maximizar em nossos projetos. São investimentos que geram benefícios crescentes a longo prazo.

Em projetos de base territorial ou em organizações o Desenvolvimento e Design Regenerativo (DDR) gera valor ao criar uma rede de cooperação em que cada membro pode desempenhar o seu maior potencial a partir de uma direção regenerativa comum. Com o passar do tempo o entendimento da dinâmica socioecológica aumenta, os laços são fortalecidos, a motivação e espírito local é elevada e o retorno social, econômico e ecológico supera em muito o investimento inicial.

Investimentos degenerativos são necessários em muitas ocasiões. Porém, ao colocá-los a serviço de uma atividade fundamentada em um investimento regenerativo conseguimos fazer com que o ativo que se deteriora ajude a gerar valor crescente a longo prazo. Ao equilibrar estes tipos de investimento conseguimos gerar riqueza e saúde social e ecológica.

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
O que é a vida? — Uma comunidade regenerativa

O que é a vida? — Uma comunidade regenerativa

Escrito por Daniel Christian Wahl e traduzido por Felipe Tavares.

A vida — como um processo planetário — é uma comunidade regenerativa! Nas palavras de Janine Benyus: “A vida cria condições propícias ​​à vida”.

Para mim, a palavra “regenerativo” refere-se à capacidade inerente da vida de expressar a essência única de cada lugar através de diversidade elegantemente adaptada. Essa diversidade não apenas muda constantemente e evolui para níveis mais altos de complexidade e colaboração, como também contribui para tornar o local mais abundante, vibrante e favorável a mais vida ao longo do tempo.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 0 comments