As principais capacidades sistêmicas

Coevolução newsletter #11

Uma das premissas do trabalho sistêmico e regenerativo é que pequenas intervenções conscientes no local correto podem criar efeitos sistêmicos benéficos.

Isso só é possível quando somos capazes de ter um olhar sistêmico e integral para um determinado contexto.

Existem habilidades que precisam ser desenvolvidas se quisermos ter esta visão ampliada e relacional. Abaixo segue as principais capacidades sistêmicas necessárias para o trabalho de transformação.

Reconhecer as interconexões

Este é o nível básico do pensamento sistêmico. Essa habilidade envolve a capacidade de identificar as principais conexões entre as partes de um sistema. Mesmo adultos com alto nível de escolarização, sem treinamento em pensamento sistêmico, tendem a não ter essa capacidade.

As conexões fazem com que o comportamento de uma parte afete a outra. Todas as partes estão conectadas, uma mudança em qualquer parte ou conexão afeta todo o sistema.

Entender o sistema a partir de suas diferentes escalas

Esta habilidade envolve a capacidade de reconhecer os sistemas a partir de suas diferentes escalas e de sua estrutura aninhada, ou seja, de sistemas dentro de sistemas.

Trabalhar sistemicamente requer a capacidade de enxergar como sistemas menores estão aninhados em sistemas maiores e de visualizar efeitos positivos em cascata através destas escalas. Esta capacidade não é sobre como ampliar a escala de atuação de algo e sim sobre identificar a escala mais adequada para atuação.

Diferenciar tipos de estoque, fluxos e variáveis

Os estoques referem-se aos elementos e recursos de um sistema. Isso pode ser físico, como a quantidade de tinta em um balde, ou emocional, como o nível de confiança de um amigo para outro. Fluxos são as mudanças nesses níveis. Variáveis ​​são as partes mutáveis ​​do sistema que afetam os estoques e fluxos, como uma taxa de fluxo ou a quantidade máxima de um estoque.

A capacidade de diferenciar esses estoques, fluxos e variáveis ​​e reconhecer como eles operam é uma habilidade crítica do pensamento sistêmico. Aqui estamos especialmente atentos em identificar e compreender as relações não lineares.

Identificar e compreender loops de feedback

Um loop de feedback é uma série de conexões que fazem com que o resultado de um processo influencie esse mesmo processo. Este fluxo circular resulta em grande amplificação, atraso ou efeitos de estabilização, que é o que causa o comportamento geral do sistema.

Cada parte está envolvida em um ou mais ciclos de feedback. Os sistemas têm mais loops de feedback do que partes, o que causa uma complexidade inimaginável. Os loops de feedback são a principal razão pela qual o comportamento de um sistema é emergente. O pensamento sistêmico requer a identificação desses loops de feedback e a compreensão de como eles afetam o comportamento do sistema.

Entender a estrutura do sistema

Estrutura é o padrão de relacionamento entre os elementos, que é como o sistema é organizado. O comportamento do sistema depende muito mais das conexões do que das partes, porque é isso que determina como as partes funcionam juntas. Para entender o comportamento de um sistema, entenda sua estrutura. Para mudar o comportamento de um sistema, mude sua estrutura.

Investigar o comportamento dinâmico

As interconexões, a maneira como se combinam em ciclos de feedback e a maneira como esses ciclos de feedback influenciam estoques, fluxos e variáveis ​​criam um comportamento dinâmico dentro de um sistema. Esse comportamento é difícil de apreender ou entender. Assim, a maneira como um sistema se comporta não pode ser determinada pela investigação das suas partes e estrutura.

Dito de outra forma, o comportamento do sistema é um fenômeno emergente. Isso ocorre porque as partes estão fortemente acopladas, as partes e a estrutura estão em constante mudança, existem diversos loops de feedback e relações não lineares, os comportamentos são influenciados pela história, o sistema é auto-organizado e adaptável, o comportamento emergente é contra-intuitivo, existem atrasos, a mente humana é limitada etc.

Apesar do reconhecimento da natureza complexa e dinâmica de até mesmo sistemas simples, diferenciar tipos de estoques, fluxos e variáveis, bem como identificar e entender relações não lineares, são chaves para tomar melhores decisões a partir de um entendimento holístico.

Modelar o sistema conceitualmente

Esta é a capacidade de modelar conceitualmente diferentes partes de um sistema e visualizar um sistema de maneiras diferentes. A execução dessa atividade vai além do escopo dos modelos de sistema definidos e entra no reino da simplificação intuitiva por meio de vários métodos como redução, transformação, abstração e essencialização. Essa habilidade também pode ser vista como a capacidade de olhar para um sistema de maneiras diferentes que eliminam o excesso e reduzem a complexidade.

Referência

Ross D. Arnold e Jon P. Wade. A Definition of Systems Thinking: A Systems Approach. Conference on Systems Engineering Research, 2015.

Posted by Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.

Deixe uma resposta