Instituto de Desenvolvimento Regenerativo

Um novo papel para os seres humanos

O desenvolvimento regenerativo é uma metodologia prática de desenvolvimento de projetos que funciona como um convite para a transformação da maneira como enxergamos e interagimos com o mundo. É uma oportunidade, nascida da crise, de reavaliarmos o papel que os seres humanos desempenham na teia da vida e realizarmos o potencial de gerar mais vida e prosperidade do que seria possível sem a presença humana na Terra.

Proposto primeiro pelo grupo Regenesis em 1995, este termo descreve uma prática para aumentar a capacidade dos sistemas vivos que estamos trabalhando de expressar seu potencial para a diversidade, complexidade e criatividade (Mang e Haggard, 2016). O trabalho regenerativo, por definição, busca desenvolver o potencial inerente de todos os envolvidos em um projeto ou iniciativa.

O primeiro passo nesta direção é superar a noção de sustentabilidade como a prática de “fazer menos mau”. Esta abordagem mostrou-se insuficiente e até mesmo perigosa. A prática regenerativa tem como objetivo central o impacto positivo, ou seja, fazer com que o desenvolvimento dos sistemas humanos seja motivo de ganhos sociais e ambientais. Mais ainda, entende-se que apenas conciliando sistemas naturais e humanos em uma relação ganha-ganha é que pode-se haver desenvolvimento verdadeiro.

A verdadeira viagem de descobrimento não consiste em procurar novas paisagens, e sim em ter novos olhos. — Marcel Proust

O grande valor do desenvolvimento regenerativo está na capacidade de gerar reflexão e pensamentos elevados ao mesmo tempo que conduz um processo prático capaz de materializar potenciais únicos. Este método oferece uma abordagem poderosa para estabelecer uma parceria com a natureza ao buscar a sustentabilidade a partir da teoria dos sistemas vivos.

Portanto, o desenvolvimento regenerativo investiga como os seres humanos podem participar nos ecossistemas através do desenvolvimento para gerar saúde para comunidades humanas (física, psicológica, social, cultural e econômica) e ao mesmo tempo para outros organismos e sistemas vivos (Jenkin e Zari, 2009).

Para entender o desenvolvimento regenerativo na prática é preciso entender os conceitos-chave que fundamentam este método. Entre eles, estão: visão de mundo ecológica, regeneração, trabalho desenvolvimental, potencial inerente, coevolução mutualística, papéis geradores de valor, sistemas aninhados, essência e espírito do lugar, vocação coletiva e participação apropriada. A jornada rumo a uma sociedade regenerativa está apenas começando e te convido a fazer parte deste movimento.

Referências
JENKIN, S.; ZARI, M. P. Rethinking our built environments: Towards a sustainable future. Nova Zelândia: Ministério do Meio Ambiente da Nova Zelândia, 2009.
MANG, P; HAGGARD, B. Regenerative Development and Design: A Framework for Evolving Sustainability. Wiley, 2016.

 


Assine a lista de email

Uma vez por semana entregamos pílulas de pensamento que nos
ajudam na construção de culturas regenerativas.

 

Postado por Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento, e não de técnicas.

Deixe uma resposta