Princípios orientadores

Os princípios descritos abaixo orientam a forma como queremos atravessar o ano de 2021 e anfitriar o Círculo Regenerativo, nossa comunidade de aprendizagem.

Um ciclo que se inicia é uma oportunidade de alinhamento das nossas ações com aquelas intenções que, a menos que sejam firmadas, nos escapam no cotidiano. Esclarecer para nós mesmos princípios orientadores tem um poder organizativo e cuida para que sigamos em uma direção de maior potencial.

O Círculo é resultado do desabrochar das nossas percepções acerca do que significa desenvolvimento, aprendizagem e comunidade. Os princípios abaixo sugerem uma ética de conexão com a vida e de realização humana que informa como queremos conduzir o Círculo e participar do mundo.

Cada ser tem um papel singular no curso evolutivo da vida

Não há nada tão precioso quanto as nuances de cada ser. Somos seres, ao mesmo tempo, singulares e contextuais. Os contextos informam como podemos servir à sua evolução gerando valor através de gestos que surgem da nossa individualidade.

O Círculo quer desabrochar a potência de cada pessoa e iniciativa através da celebração do papel singular de cada iniciativa na evolução do todo maior a que serve. Queremos ajudar as pessoas a se atualizarem sendo uma expressão de si mesmas capaz de gerar valor às suas comunidades.

Adquirir novas competências e manifestar melhores potenciais implicam um processo desenvolvimental

Diferente do entendimento de desenvolvimento como ausência de envolvimento e desvinculação, nós o entendemos como o processo contínuo e consciente de “retirar o manto” para revelar a verdadeira natureza das coisas. Esse é o sentido da palavra a partir da sua origem etimológica desveloper (francês antigo) que significa revelar o significado ou o sentido de algo. 

Para desenvolver é necessário visualizar o potencial que existe em uma entidade ou atividade e então realizá-lo em sua maior expressão. Segundo o Grupo Regenesis, o desenvolvimento constrói a capacidade de uma entidade — em relação à sua vontade, ser e função — viver integralmente a sua essência.

Nós queremos desenvolver capacidades através do engajamento contínuo em estudos e práticas que promovam um alinhamento entre o ser e o fazer e, com isso, nos aproximem de uma condição de autenticidade e integridade.

O princípio ético que, se radicalizado, pode reorientar o destino humano é a escolha pela vida

Acima de tudo, nós queremos seguir apaixonados pela vida — pelo processo de tornar-se, pelo contínuo e imprevisível desdobramento dos fenômenos, pela diversidade e complexidade das expressões da vida.

Manter um estado de abertura e encantamento diante os fenômenos da vida humana e além humana não é fácil porque estamos exauridos com tantas tarefas, acuados diante a magnitude dos desafios à frente e desesperançosos quanto a possibilidade de viver uma vida potente e participar de um mundo justo.

Mas como seria se, diante de toda e qualquer dúvida ou desafio, nos perguntássemos: qual é o caminho que, se escolhido, faz a vida pulsar de forma mais vibrante?

O Círculo é um lugar para nos aproximar da vida porque incentiva a curiosidade aberta diante tudo que captura nossa atenção. Ao abrir nossos sentidos para experimentar prazer e dor, alegria e sofrimento, beleza e tragédia, o simples e o complexo, ficamos mais permeáveis às forças da vida.

Fazer as pazes com a condição humana é fundamental para nos tornarmos humanos

Os grandes líderes que incentivaram uma cultura de paz e não-violência sabiam que deveriam combater estruturas sociais e comportamentos humanos, mas nunca indivíduos e a própria condição humana.

Tudo que é vivo revela potenciais de ordem superior se algumas causas e condições forem cultivadas. Há imenso potencial para beleza, conexão e bondade na condição humana. Se em vez de categorizar e excluir indivíduos nós trabalharmos para encontrar as causas raízes que os fazem praticantes de comportamentos disfuncionais criamos condições para o florescimento humano.

É maravilhoso quando podemos ser humanos juntos de forma relaxada em um espaço que acolhe a espontaneidade. Quando estamos confortáveis em nossa própria pele e sabemos que somos dignos de respeito e apreciação, somos capazes de gestos surpreendentes de criatividade e de estabelecer vínculos baseados em confiança.

Liberdade e autonomia são possíveis quando ampliamos o espaço entre o estímulo e a resposta estabelecendo uma nova relação com o tempo e a informação

Somos reativos quando os estímulos nos engolem. Somos automáticos quando a resposta surge ignorando o estímulo. Ao ocupar o espaço entre o estímulo e a resposta podemos ser intencionais e propositivos. Esse é um lugar sagrado onde tocamos possibilidades e potenciais.

Ele é inacessível quando estamos comprimidos por uma direção de futuro estreita com urgência em se fazer presente. Por outro lado, uma mente espaçosa capaz de ficar com o que se apresenta sem pressa em concluir e resolver uma situação desagradável nos dá tempo para processar a informação, contemplar o que quer surgir e responder livre de condicionamentos passados e imperativos rígidos do futuro.

Para nossa própria felicidade e participação comprometida no mundo, o desenvolvimento de capacidades e a transformação de comportamentos são essenciais, mas são impossíveis em uma condição tensa. A corrida contra o tempo para conquistar competências e o preenchimento do espaço interior com excesso de informação não fazem por nós o que uma atitude humilde, calma e perseverante faz.

Para uma condição de vitalidade, ânimo e coragem é importante acomodar a natureza complexa, dinâmica e ambígua da vida

Bateson disse que “os maiores problemas no mundo são resultado da diferença entre como a natureza funciona e a forma como as pessoas pensam”. Por conta da separação culturalmente produzida entre a racionalidade humana e a inteligência dos sistemas vivos, nós desenvolvemos hábitos de existência que vão na contramão de como a vida funciona.

Comumente, paralisamos diante fenômenos considerados complexos demais para nossa capacidade de compreensão ou desafios considerados grandes demais para os recursos que acreditamos ter para enfrentá-los. Sentimos um desconforto angustiante diante de mudanças inesperadas que chacoalham a ordenação e o modo de proceder já estabelecidos e pressionam à ativação das capacidades de resiliência e reinvenção. O fluxo do pensamento parece incapaz de conceber a convivência e as intersecções existentes entre posições aparentemente antagônicas e excludentes.

Se nossa atitude é de resistência contra a natureza da vida, nós perdemos a vitalidade própria que surge quando nos reunimos a ela. O Círculo é um espaço para aprendermos juntos a fazer paz com o autogoverno do mundo e, ainda sim, navegar a complexidade de forma instrumentalizada. 

A alfabetização em quadros conceituais de abordagens científicas sistêmicas e holísticas e a metabolização coletiva de reflexões e conteúdos emocionais têm um efeito organizativo no mundo interno e nos possibilitam participar da vida com mais clareza e suavidade.


Conheça o Círculo, uma comunidade de aprendizagem para que pessoas comprometidas com a saúde planetária possam se conectar a uma rede de agentes de transformação, desenvolver potenciais subutilizados e viver os paradigmas emergentes de maneira inspiradora, dialógica e sóbria.

Posted by Juliana Diniz

Por meio da união entre desenvolvimento humano e a perspectiva evolucionária da Terra facilito processos de inovação social e mudança sistêmica que promovam saúde pessoal e planetária.

Deixe uma resposta