o paradoxo do ativismo conservador - instituto de desenvolvimento regenerativo

O paradoxo do ativismo conservador

O ativismo conservador é feito por aqueles que, apesar de trabalharem por um mundo melhor, fracassam em se tornarem melhores pessoas

Este é o segundo texto de uma sequência de cinco artigos que nos convoca a assumir o papel de ativistas radicais a serviço da construção de um mundo viável. A sequência é: Nós somos aqueles por quem esperávamosO paradoxo do ativismo conservador, O ativismo radical, Como vemos o mundo? e Como as mudanças acontecem?. Acompanhe e assuma a sua identidade enquanto agente de transformação neste mundo em transição.

Compartilhamos coletivamente a crença de que há poucas pessoas que são capazes de mudar o mundo e que nós não somos essas pessoas. Acreditamos que essas pessoas são os governantes que estão no exercício do poder. E também que há exceções, pessoas loucas, que desafiam esses governantes e acreditam, utopicamente, em um outro mundo possível.

Dentre esse grupo de idealistas que acreditam poder transformar o mundo, diante o qual sentimos não pertencer, podemos identificar dois subgrupos: os ativistas conservadores e os ativistas radicais.

O ativismo conservador é aquele conduzido por pessoas com boa intenção, mas com uma fidelidade inconsciente ao paradigma que se está tentando superar. É o caso daqueles sujeitos e movimentos que resumem a mudança social a um conceito e lutam para que esse conceito se torne a ordem das coisas.

Vemos isso em uma face específica na esquerda política, por exemplo. Embora a esquerda global seja multifacetada, pode-se falar de uma ala que resume as mudanças necessárias à incorporação nacional de um regime socialista.

Geralmente, o que temos ao reduzir a mudança social a um conceito – socialista, no caso – é a perpetuação do mesmo cenário. Mesmo que tenha havido uma mudança de direção política e haja novas pessoas no exercício de poder, comumente, essas pessoas assumem os lugares que já existiam e o mundo continua o mesmo.

Esse ativismo nos coloca em uma condição de espectadores ao invés de protagonistas e acaba retardando mudanças à medida que deixa de refletir sobre questões fundamentais porque passa a tomá-las como discutidas o suficiente a ponto de serem enrijecidas em um conceito.

O ativismo conservador usufrui de um pensamento instrumentalista. O instrumentalismo, devido ao seu enfoque nos resultados quantificáveis, negligencia a percepção de que tudo está conectado e mudando a todo momento e que, portanto, a mudança que se espera no mundo é a mudança que deve ser feita em si mesmo.

O instrumentalismo se alimenta da convicção de se estar certo e da determinação de mudar o que está errado e, por isso, acaba mimetizando as forças que pretendia superar. Ao lutar pelo “bem” de forma instrumental, os ativistas conservadores reproduzem comportamentos que eles se comprometeram, lá atrás, a mudar. Assim, se esquecem de que o processo de mudança é vivo e que o caminho é mais importante que o fim.

E quem de nós já não assumimos o papel de ativistas conservadores?

A presunção de achar que podemos mudar o mundo agindo sobre ele nos aprisiona em nossa obstinação. Isso acontece porque temos dificuldades de criar tempo e espaço para a reflexão continuada sobre nossa prática. Assumimos que tudo está contra nós e que nosso trabalho é demasiadamente exaustivo. Por isso, não podemos perder tempo, temos de agir rápida e incessantemente.

Em um mundo onde não há tempo e onde ter dúvidas é ser questionável, a reflexão sobre a nossa própria prática soa como uma perda de tempo. Por isso, queremos atingir nossas metas tão impetuosamente que não percebemos que as coisas estão mudando ao nosso redor e, às vezes, inclusive em função do sucesso de nosso trabalho. Assim, negligenciamos a importância das novas leituras de contexto e intervimos de forma desatualizada. Na medida em que a situação muda, nos tornamos conservadores.

A luta se torna um hábito mais importante do que a sua resolução. Pensamos estar em um caminho radicalmente transformador, mas caminhamos em direção ao fundamentalismo. O nosso conservadorismo vai se construindo a partir dos nossos movimentos energéticos com convicção e sem reflexão.

Essa tendência é incitada pelo desafio de enfrentar a ambiguidade, a incerteza e a complexidade do mundo hoje que, após séculos de dominação ocidental, colonial e patriarcal, nos exige certezas, intenções claras e propósito firme para sermos considerados legítimos ativistas.

Ironicamente, questionamos as normas do mundo social, mas incorporamos as suas práticas normativas. Incorporamos, inclusive, aquela que diz que devemos buscar o caminho mais curto e que leva aos resultados mais quantificáveis. Esquecemos que estamos buscando superar a cultura do medo e do controle e nos conformamos em jogar as suas regras.

Contra toda experiência anterior e complexidade inerente ao processo social, acreditamos que se arquitetarmos as melhores estratégias seremos capazes de virar o mundo para onde queremos que ele vá. Desse modo, o nosso ativismo se distancia cada vez mais da revolução autêntica e se torna um provedor de serviços.

Transformamos, dessa forma, o ativismo no hábito de lutar por lutar. Tomamos a nossa perspectiva como a direção óbvia que o mundo deveria tomar e reduzimos a prática ativista à militância esvaziada de sentido nas ruas e nas redes sociais. O resistir por resistir, a universalização de opiniões, a incapacidade de dialogar com abertura e a militância esvaziada tornam-se a receita deixando de lado a presença atenta e a proximidade que a prática ativista, genuinamente humana, carece.

Quem pratica o ativismo conservador?

O ativismo conservador é feito por nós que buscamos um mundo melhor, mas que, apesar das boas intenções, fracassamos em nos tornar melhores pessoas. Adiamos as nossas próprias mudanças, de crenças e comportamentos, porque dizemos não saber como fazê-las ou as julgamos dispensáveis para a mudança social.

Não percebemos ou ignoramos o fato de que a mudança que queremos ver no mundo deve começar conosco. Por trás dessas nossas justificativas se esconde a preguiça. Essa preguiça é sintoma do nosso desinteresse por aquilo que a nossa própria ação produz no mundo e, paradoxalmente, desinteresse pelo próprio mundo.

Em síntese, subjugando a demanda por reflexão, cristalizando a nossa perspectiva e impondo ao processo de mudança social um modelo mecânico e simplista, fazemos do nosso ativismo um projeto instrumental que diminui as possibilidades de um mundo viável e de uma outra humanidade possível.

Este texto foi inspirado pelas reflexões de Allan Kaplan e Sue Davidoff presentes no livro “O ativismo delicado”. No livro eles abordam categoricamente muitas das características do ativismo conservador discorridas aqui.

Referências:

Allan Kaplan e Sue Davidoff (2014). O Ativismo Delicado. The Proteus Initiative.

Posted by Juliana Diniz

Por meio da união entre educação e cura trabalho para a emergência de culturas regenerativas que promovam saúde pessoal e planetária.

Deixe uma resposta