Emergência e uma nova história do universo e da civilização

Este texto é a transcrição de uma palestra inspiradora do filósofo e empreendedor Daniel Schmachtenberger, co-fundador da Neurohacker Collective.

Nesta fala Daniel explora como o fenômeno da emergência, a partir de uma interseção de diferentes ciências, pode informar uma nova história para o universo e para a humanidade. Ao entender os seres humanos como parte de um processo evolucionário dotados de consciência auto-reflexiva, podemos nos colocar como agentes conscientes da evolução e definir intenções para a humanidade que seja ao mesmo tempo harmoniosa para toda a comunidade de vida de um planeta profundamente interconectado. Esta narrativa, muito bem tecida e fundamentada, constrói as bases para o que podemos chamar de Culturas Regenerativas.

Assista ao vídeo original e veja a transcrição em inglês feita pelo site Inside Out. 


O que eu quero falar hoje é o que é a emergência como um fenômeno, como uma propriedade que é realmente essencial para entender a natureza do universo em que vivemos — essencial para entender o que significa ser humano e essencial para entender a base do significado da ética e do existencialismo — e também o que isso indica para o futuro da civilização abordando algumas coisas que são preocupantes e excitantes ao mesmo tempo. Você pode considerar essa conversa como uma espécie de ode extemporânea e divagante ao fenômeno da emergência em si — um tipo de conversa de amor sobre o quão fantástico é o universo possuir essa propriedade e que nós podemos entendê-la e participar no fenômeno.

Vamos começar definindo o que é emergência. “Emergência” significa que algo novo surge que não estava aqui antes. Todos nós temos esse senso intuitivamente, mas cientificamente, como isso acontece? Como você traz partículas — ou planetas, ou qualquer coisa — juntos e de repente o todo tem alguma propriedades que nenhuma das partes tinha? De onde elas vêm?

Como podemos obter coisas fundamentalmente novas das relações de coisas onde isso não existia antes?

É por isso que nos campos das ciências que estudam a emergência — teoria da evolução, biologia, ciência dos sistemas e teoria da complexidade — é considerado a coisa mais próxima da mágica que é cientificamente admissível. Mas ainda é incompleto em termos de realmente entender como funciona. Como podemos obter coisas fundamentalmente novas das relações de coisas onde isso não existia antes? É fascinante. Como você tem uma célula que respira composta de moléculas, nenhuma das quais respiram?

É realmente interessante quando você pensa sobre isso. Alguém sabe qual é o termo fundamental para entender a emergência? Sinergia. Emergência é sinergia; sinergia e emergência são dois lados do mesmo fenômeno. Sinergia significa que o todo é maior que a soma de sua partes e a emergência é o que é isso ‘maior’? Qual é a novidade que surge ao juntar as coisas? Então, sinergia é mais formalmente definida como propriedades de sistemas inteiros que não são encontradas em nenhuma das partes tomadas separadamente, o que também significa que elas são fundamentalmente imprevisíveis pelas partes. Isso anuncia um futuro que é ontologicamente imprevisível do estado atual do futuro — que é muito diferente da compreensão mecanicista-newtoniana do futuro, mas que ainda faz sentido em termos de leis científicas. Super interessante, né? Então, sinergia é essa propriedade do relacionamento em que o todo possui novas propriedades que as partes não tinham. Emergência é resultado de sinergia; sinergia é resultado de relacionamento. E o relacionamento é resultado de forças atratoras.

Existem alguns tipos de forças atratoras — seja a gravidade concentrando poeira em planetas ou planetas em sistemas solares, se é o eletromagnetismo que reúne partículas subatômicas em átomos ou a força forte que reúne quarks em prótons — cada uma delas são propriedades emergentes impulsionadas pela sinergia, impulsionadas pelo relacionamento, impulsionadas pela atração. Ou se está trazendo essas pessoas [gestos para o público] juntas via feromônios, ou amor, ou afinidade intelectual, ou um tópico em que estamos todos interessados, como criar um mundo melhor. Há algumas forças atratoras. Buckminster Fuller chamou o amor de “gravidade metafísica”. Da mesma maneira que a gravidade e as forças físicas agem nos corpos físicos para atraí-los, temos forças metafísicas que agem em corpos metafísicos para dirigir atração.

Mas imagine todas as forças atratoras como expressões de um princípio fundamental do universo da atração. Que existe um princípio pelo qual coisas separadas têm razões para se unir, que oferece vantagem que estar separado não tem. (Pense em todas as forças como casos especiais disso.) Imagine se não fosse esse o caso. Imagine se tivéssemos um universo onde a atração não era um princípio fundamental. E a coisa toda teria parado em espuma quântica. Você tem a espuma quântica que emerge; mas você nem chega ao ponto das partículas subatômicas surgirem, e é isso. Porque não há atração para então ter sinergia e propriedades emergentes.

No coração da história evolutiva há uma história de amor

Eu tenho um amigo e colaborador, Mark Gaffney, que chama isso de “história universal de amor”: No coração da história evolutiva há uma história de amor, pois é efetivamente a atração que dirige toda a história evolutiva. É a atração que gera relacionamentos, que gera sinergia, que leva a novas propriedades emergentes, gerando inovações, novas criações e que conduz a evolução. Podemos realmente entender a própria flecha da evolução em termos desse conjunto de fenômenos juntos.

Então, a evolução na teoria da complexidade é definida de forma geral em termos de uma maior complexidade elegantemente ordenada. Essa é realmente a melhor definição que temos em termos da teoria da complexidade matemática saindo do Instituto Santa Fé. A definição contém a palavra “elegância”, porque novamente, na verdade, é uma dessas propriedades bastante misteriosas que é a chave para isso. Ou seja, em outras palavras: reunir as coisas não dá a você propriedades emergentes. Reunindo-as de maneira particularmente elegante e ordenada sim.

Pense em todas as partes que compõem uma célula. Você tem todas essas partes não vivas: DNA, estruturas do núcleo celular, todas as diferentes organelas dentro do plasma. Elas não são todas vivas, mas a célula é viva. Mas se você trouxer todas essas partes juntas, mas não as organizar como uma célula, se elas fossem apenas um monte de moléculas, não seria tão interessante. Seria apenas uma gosma. Se você pegou as 50 trilhões de células que fizeram você e não as organizou exatamente dessa maneira, você teria 50 quilos de células, isso seria muito menos interessante. Mesmo que houvesse tanta complexidade, você não teria uma complexidade ordenada em que a propriedade emergente surge. Esse é realmente o relacionamento. Não é apenas coisas se unindo. Não é apenas complexidade; são totalidades. A diferença entre um todo e um monte é a ordem, e um conjunto específico de padrões de ordem.

Isso significa que nem todo relacionamento é sinérgico. Alguns relacionamentos são entrópicos. Na verdade, eles criam a direção oposta de novas propriedades emergentes; eles destroem algumas propriedades que já estavam lá. Quase todo mundo tem alguns exemplos. Você pode colocar produtos químicos juntos e em vez de se auto-organizarem para criar moléculas de ordem superior com novas propriedades termodinâmicas, eles exibem uma reação exotérmica, entrópica, e eles caem para níveis mais baixos de organização. Isto é verdade em todos os níveis. Não é apenas relacionamento; são tipos específicos de relacionamento que maximizam a sinergia. Isso é algo importante para se entender sobre a natureza do universo.

Também é o caso de que, se você reunir um monte da mesma coisa, você não cria sinergias muito interessantes. Você obtém sinergias muito interessantes quando você junta coisas diferentes com propriedades diferentes no formato certo, onde você tem as propriedades de cada uma dessas coisas, e então as propriedades do relacionamento entre elas, que são as coisas novas, e você obtém emergência. Então, você tem hidrogênio e tem oxigênio (que são coisas diferentes), e você os reúne e obtém água que é a base para a vida. Mas nem hidrogênio nem oxigênio são líquidos à temperatura ambiente. Isso é uma coisa fascinante. Na verdade estamos muito interessados em ter relações sinérgicas profundas com diferenças que levam a propriedades emergentes fundamentalmente novas. Não é só a complexidade líquida — é complexidade elegantemente ordenada.

Então, quando você obtém uma nova propriedade, o universo seleciona para isso. A nova propriedade oferece alguma vantagem evolutiva para esse sistema que o sistema que não tem essa propriedade não obtém tal vantagem. Então, as coisas podem se unir de diversas maneiras, mas as que se reúnem de forma mais sinérgica oferece e confere uma maior vantagem e o universo seleciona para isso. O universo está na verdade selecionando para mais diferenças. É selecionar para a diversidade. E depois mais combinações sinérgicas entre essas diferenças. E são os dois: mais diversidade e mais unidade em toda a diversidade. Mais agência e mais simbiose ao mesmo tempo é o que define a flecha da evolução.

Coisas que são agentes autônomos separados — então, por exemplo, você pode pensar em uma célula como tendo sua própria agência, sua própria capacidade de agir e sua própria fronteira e periferia. Mas você junta várias células, e essa coleção de células pode refletir sobre a consciência e o existencialismo e ter uma conversa como essa, mesmo que nenhuma dessas células podem fazer isso por conta própria.

E são diferentes tipos de células. Você não poderia fazer isso apenas com neurônios. É necessário neurônios, células da glia, células imunes, células-tronco etc. se juntarem. Mais agência, mais diferenciação, mais relacionamentos ordenados, mais sinergia — tudo isso se junta e a coisa que define é a emergência: quanta nova vantagem fundamental surge. É para isso que a evolução seleciona.

Então, eu vou apenas passar por cima de vários tópicos e espero pintar uma gestalt de pelo menos um arco interessante. A história do universo evolutivo — a nova melhor história do universo que temos, emergindo da interseção de todas as ciências — é que temos um universo evolutivo que não requer um criador, agente ou deus deísta para criar, mas também não é apenas um conjunto aleatório altamente improvável de movimentos que nos trouxe até aqui. Há um conjunto de propriedades que nos dão uma auto-organização, em vez de criação, agente, princípio criativo, universo que está se movendo em direção a mais complexidade elegantemente ordenada.

Com essa história do lado físico, você também tem a evolução da estrutura da consciência em si. A medida que você se move de um sistema nervoso reptiliano para o aumento de complexidade ordenada de um mamífero e então de um sistema nervoso neocortical e depois um pré-frontal, você se move nos tipos de senciência que mapeiam para isso: dor e prazer no reptiliano à emoção à cognição à abstração.

Temos um universo que está se movendo na direção de não apenas mais elegância, mas também maiores profundidades e amplitudes da própria consciência.

Temos um universo que está se movendo na direção de não apenas mais elegância, mas também maiores profundidades e amplitudes da própria consciência. Agora, na flecha da evolução, isso define e reifica significado de uma maneira muito interessante. Uma das coisas que é tão interessante é que, com a nossa capacidade de abstração, não podemos apenas pensar em nosso eu experiencial do momento, mas podemos pensar em nós mesmos em termos abstratos. Nós podemos pensar sobre o tempo abstratamente, passado profundo e futuro profundo. Isto é o que nos permite realmente entender a própria evolução. É um entendimento de passado profundo e registro fóssil e astrofísica que nos dão uma noção da capacidade de abstrair leis de como essa mudança ocorre ao longo do tempo, que nos permite uma visão mais profunda de como chegamos aqui. E também a capacidade de visualizar um futuro fundamentalmente mais bonito e mais interessante, e depois ser parte desse processo criativo.

Vale a pena notar que nosso córtex pré-frontal e nossa capacidade de abstração é um fenômeno bastante novo evolutivamente. Também é um conjunto muito poderoso de capacidades. Quando você tem um novo fenômeno que é muito poderoso, você não saberá como usá-lo tão bem. Muitas das suas aplicações serão destrutivas até você entendê-la melhor. Então, podemos pensar sobre o futuro com preocupação; podemos pensar sobre o passado com arrependimento; podemos pensar em si abstratamente em termos de auto-comparação negativa. Então nós temos ideais espirituais que emergem e dizem basicamente: “Tudo isso é ruim; mente e a capacidade de abstração como essa é ruim; não devemos pensar no futuro ou passado, mas esteja no momento como os outros animais e as crianças estão. Vê como eles estão felizes?”

Mas é uma espiritualidade regressiva que está rejeitando a nova capacidade humana que emergiu, em vez de dizer: “Vamos aprender como usá-la bem para seus propósitos evolutivos em um universo fundamentalmente em evolução”. Se aprendermos a usá-la bem, dizemos: “Como podemos aprender com o passado sobre como o universo funciona para podermos imaginar um futuro de uma maneira múltipla que tem fundamentalmente menos sofrimento e maior qualidade de vida em todas as métricas significativas para toda a vida, isso é oni-consideravelmente verdadeiro, bom e bonito? E como podemos aplicar todo esse aprendizado agora para realmente ajudar a criar esse mundo?” Ao fazer isso, nós paramos de ser apenas parte do todo. Em nossa capacidade de pensar sobre a direção do todo, podemos realmente nos tornar um agente para o todo.

Isso é gigante, certo? A abelha está cumprindo esse enorme papel na evolução polinizando as plantas que criam a atmosfera que nos cria. Mas elas não sabem que estão fazendo isso e não conseguem descobrir conscientemente como fazer melhor. Em contraste, nós temos a capacidade de procurar qual é toda a história evolutiva — e identificando como: “Whoa, todo o impulso evolutivo do universo me trouxe e depois acordou para si em mim”. De uma maneira significativa eu sou realmente o universo evolucionário, impulsivo, acordado para si, em uma forma que possui uma complexidade ordenada adequada para contemplar isso. E então você escolhe conscientemente como participar, e não apenas fazer parte de uma tripulação entediada de uma nave espacial, mas ajuda a orientar a direção da evolução do cosmos.

Então, passamos da evolução como um processo algorítmico principalmente inconsciente que seleciona para a dominância para um processo que pode ser mediado por agentes conscientes — que podem realmente prever um futuro mais bonito e selecionar para ajudar a criar isso. Quando não nos identificamos como seres evolucionários, quando nos identificamos como substantivos em vez de verbos, permanecemos presos onde estamos. E então precisamos da dor como um impulsionador evolutivo. E através da emergência é como nós crescemos. Assim que nos identificarmos com a inexorabilidade da evolução, e a nós mesmos como evolução encarnada, paramos de precisar de dor para nos empurrar porque todo o nosso propósito de ser — de se tornar — coincide. Eles são dois lados da mesma coisa. É a atração de tornar-se — trazendo mais das propriedades atemporais do infinito no tempo, mais do infinito através do finito — que se torna a base da nossa existência. E todo mundo sabe que quando você está na experiência de criar beleza que não existia antes no universo, que acrescenta ao universo e é exclusivamente seu para criar, você sente um tipo de vitalidade inigualável por qualquer outra coisa.

Quando nos identificarmos como partes fundamentalmente interconectadas de um universo interconectado, ao invés de coisas separadas, paramos de pensar que existe alguma definição de sucesso para si mesmo que não é uma definição de sucesso para o todo.

No lugar de não fazer isso, o vazio causa todo tipo de adicção. Isso é fundamental para o que realmente estamos aqui para fazer. Agora, quando todos nós nos identificamos como seres evolucionários, nós tornamos obsoleta a necessidade de dor para a nossa motivação. Quando nós também nos identificarmos como partes fundamentalmente interconectadas de um universo interconectado, ao invés de coisas separadas, paramos de pensar que existe alguma definição de sucesso para si mesmo que não é uma definição de sucesso para o todo. Também paramos de pensar que a idéia de nos beneficiar às custas de outra coisa com a qual estamos inexoravelmente interconectados faz sentido. Todos somos agentes de um todo interconectado, onde nossos senso de identidade é uma propriedade emergente da interseção deste sistema com o resto do universo.

Na verdade, é fundamental em termos de emergência: você mesmo como uma propriedade emergente de todo o universo. Porque apesar de você não existir da mesma forma sem seu cérebro ou seu corpo, você também não existiria sem a atmosfera e as árvores que a gera, e as plantas e as bactérias e a gravidade e o eletromagnetismo e as forças fundacionais. O conceito de “eu” separado do universo é um nome impróprio. O conceito de um caminho de vida para nós mesmos que não seja um caminho de vida para todo o universo é impróprio. Ou vantagem para si mesmo. Então, nós temos, no sentido mais profundo, quando Einstein disse que a ideia de que existem coisas separadas é uma ilusão óptica da consciência. E, na verdade, há uma realidade que chamamos de ‘universo’, da qual todos somos inextricavelmente facetas interconectadas. E sua experiência de si é uma faceta disso.

Agora, o mais fascinante é que está interconectado com tudo isso. É uma expressão da base de tudo isso. Também é completamente único em todo o universo. É uma faceta única. Não fungível, única. O que isso significa é que você tem algo a oferecer ao universo em sua experiência e sua criatividade que ninguém mais tem a oferecer exatamente dessa maneira. O que significa se você não a oferecer? Se Salvador Dali não tivesse feito Dali, Michelangelo não faria Dali, Escher não teria feito Dali — Dali simplesmente não teria acontecido, e o universo teria sido fundamentalmente menor. Então quando você entende isso, sua própria auto-atualização é obrigatória. Certo? Você tem uma obrigação para com ele. Mas quando você entende isso para todos os outros, se eles não se auto-atualizarem o universo é menor, então sua participação em ajudar todos os outros a se realizarem também é obrigatória. [Grito na platéia.] Então concorrência é um conceito obsoleto.

Lembre-se: o universo se move em direção a mais diferenciação e mais novidade e, em seguida, mais simbiose através dessa novidade para mais emergência. Estamos caminhando para uma civilização onde todos, na verdade, identificam esse caminho como uma propriedade emergente do todo, como uma parte interconectada do universo, com um papel único a desempenhar, com sinergias únicas com todos os outros papéis únicos a desempenhar. Com essa sinergia e participação humana, então a humanidade realmente se torna algo. Ela de fato se torna uma propriedade emergente. Agora é uma ideia, mas nós não temos realmente humanidade; nós não temos civilização. Nós temos humanos se esbarrando. Temos um monte de organelas que não se organizaram como uma célula que começa a respirar. Você não tem um comportamento de um todo que é central e conscientemente auto-organizado. Mas nós podemos.

E é isso que eu queria ter mais tempo para entrar, mas apenas prenunciamos rapidamente: se escolhermos a dedo dentre os enormes conjuntos de dados sobre para onde a humanidade está indo agora, podemos ver que as coisas estão em mudança exponencial, o que significa mudar cada vez mais rapidamente a taxas cada vez mais significativas. Você pode escolher métricas onde as coisas estão ficando exponencialmente melhores, e isso é verdade, e outras coisas estão ficando exponencialmente piores, e isso também é verdade. O futuro que você prevê se você apenas segue uma dessas curvas não está acontecendo.

Se as coisas estão ficando exponencialmente melhores e piores ao mesmo tempo, então isso não significa que as coisas estão melhorando ou piorando. Significa que o sistema atual está se desestabilizando — e isso significa auto-extermínio. Então, ou temos uma mudança de fase discreta para um sistema entrópico de ordem mais baixa, ou o surgimento de um sistema de ordem superior que seja fundamentalmente diferente do sistema atual que temos em todos os sentidos.

As coisas que estão melhorando são elementos que podem ser reorganizados para criar uma nova civilização com uma estrutura fundamentalmente nova. Métricas para a biosfera estão ficando exponencialmente piores com a aplicação incorreta da tecnologia; a aplicação correta da tecnologia está melhorando as coisas fundamentalmente também, mas a tecnologia está nos dando a capacidade de fazer coisas como ter dados analíticos e recursos para inventariar todos os recursos do mundo para poder alocar estes de forma a atender todas as necessidades do mundo com ótima eficiência. Nós nunca tivemos essa capacidade antes. O transporte e tecnologias de comunicação que podem realmente nos tornar uma civilização global: nunca tivemos isso antes.

As capacidades tecnológicas que nos exigem ação (caso contrário, o auto-extermínio é uma coisa muito real) também possibilita uma mudança de fase discreta na evolução que é caracterizada por três coisas principais. Aqui será onde eu termino.

No nível do sistema social, principalmente da economia, a principal mudança é ir de uma economia de vantagem diferencial definida por propriedade privada, avaliação baseada na escassez e vantagem diferencial para um sistema econômico que é definido assegurando que o incentivo de todo agente (e o bem-estar de qualquer outro agente nos bens comuns) é perfeitamente alinhado sem externalidade. Significado: nós realmente entendemos que é um sistema interconectado; identificamos todas as externalidades e as internalizamos para que o sistema seja definido pela vantagem sistêmica para o todo. Isso não é comunismo, socialismo ou capitalismo; é algo que antes não era possível nem antecipar. Mas é assim que o seu corpo funciona. Onde nenhuma célula está se beneficiando às custas do outro, eles estão fazendo o que é melhor para eles e o que é melhor para o todo, simbioticamente ao mesmo tempo.

Essa é a mudança fundamental no nível da macroeconomia e, correspondentemente, governança e todas as nossas estruturas sociais. No nível da infraestrutura e do mundo construído, estamos passando de uma economia linear de materiais onde extraímos recursos finitos da terra a taxas sempre crescentes (e depois transformamos em lixo) para uma economia de materiais em ciclo fechado onde o lixo é o novo material. Paramos de extrair da terra e paramos de produzir resíduos, e na verdade temos uma economia pós-crescimento, de entropia negativa e de materiais de ciclo fechado onde podemos viver continuamente com qualidade de vida cada vez maior sustentados pela biosfera.

Então essa é a mudança de infraestrutura; essa é a mudança da estrutura social, e a superestrutura — a mudança mimética — é essa consciência de todos nós como facetas de uma realidade integrada e auto-evolutiva, onde o bem-estar de todos, o bem-estar de todos os outros, o bem-estar dos comuns, não são significativamente calculáveis separados um do outro.

Agora, o que é tão interessante é que costumava existir algo como problemas locais. Quando Gandhi estava trabalhando com o Home Rule para a Índia, isso era amplamente considerado como um problema indiano que não afetou diretamente todo o mundo. Quando as pessoas que queriam fundar os EUA para deixar o Império Britânico, e havia outro lugar para ir, era um problema local. Agora, quando lidamos com a extinção de espécies e a acidificação do oceano e o pico de nitrogênio e o pico de fósforo, todos são problemas globais e você não pode resolvê-los sem a China, sem a Índia, sem os EUA e sem a participação de todos.

A idéia de que temos problemas locais se foi. Nosso nível de infra-estrutura e tecnologia global chegou aonde todos nós temos problemas globais. E eles são realmente existenciais: eles estão ameaçando a biosfera. Ninguém nunca teve problemas na história da humanidade que ameaçava a capacidade das espécies de continuar, nem elas tiveram que enfrentar iminentemente e a curto prazo, nem tiveram a capacidade de enfrentar esses desafios — a ciência de dados e a tecnologia que poderia construir algo fundamentalmente novo. O que isso significa é que temos o trabalho mais significativo que a humanidade jamais teve com os recursos mais significativos — e isso também significa o maior potencial para impactar o maior cenário que qualquer humano já teve. É fácil pensar sobre isso e depois ser pego na armadilha das coisas que você precisa fazer para vencer no sistema atual, que está sendo extinto.

Mas vencer em um sistema que está comprometendo a capacidade da Terra de continuar, vencendo em um sistema moribundo, não é uma vitória interessante. Se você alguma vez pensou em uma definição de céu onde você está no céu, e existem pessoas no inferno, e você é feliz, você tem que ser um psicopata. Você tem que ser capaz de se separar da experiência de outros sencientes o suficiente para que você possa ficar totalmente entusiasmado com esse nível de sofrimento. Bem, para aceitar a ideia neste mundo de que o nível de intensidade de sofrimento que está acontecendo pode ocorrer e você está feliz pois está vencendo na sua vida — você precisa ser levemente psicopata.

Se queremos não ser psicopatas, não há definição de sucesso para nós mesmos que não seja uma definição de sucesso para o todo.

Se queremos não ser psicopatas, não há definição de sucesso para nós mesmos que não seja uma definição de sucesso para o todo. E agora quando começamos a levar isso a sério, tudo muda. E então você começa a dizer: “Bem, o que posso fazer para tornar a minha vida de melhor uso para toda a vida?” E então você responde essa pergunta, se você levar isso a sério e realmente estudar e realmente trabalhar nisso e não apenas se perguntar, ficar impressionado e voltar para as coisas corriqueiras, você irá progressivamente responder melhor essa pergunta o que levará a emergência do seu significado de vida e o caminho do Dharma. E correspondentemente, o surgimento da civilização se realizando.

Posted by Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.
  
 

Deixe uma resposta