A ponte

O desenvolvimento regenerativo é fascinante. Ele resolve, no seu contexto, um paradoxo chave e abre caminhos para a construção de um mundo viável. Vou explicar.

Existe um vão. De um lado há uma terra fértil para ideias inovadoras. Esta é a casa de pensadores extraordinários e a maior preocupação destas pessoas é captar a inteligência da vida.

Estes mestres perceberam que os maiores problemas do mundo possuem origem no pensamento em si. Assim, dedicam as suas vidas a entenderem as falhas da visão de mundo dominante para que seja possível fundamentar um novo pensamento. Esta é a construção de uma nova ciência para orientar a sociedade: a visão de mundo dos sistemas vivos.

Do outro lado deste vão há uma paisagem árida e rochosa que pede por intervenção direta. Este lado abriga os fazedores. São idealistas que acreditam que um mundo mais bonito é possível e que para realizá-lo é preciso construí-lo ativamente, parte por parte, agora.

Assim, dedicam as suas vidas edificar paisagens sociais harmônicas: realizam projetos transformadores, fazem conexões e viabilizam a transformação. Com suor e lágrimas tornam realidade uma visão inovadora.

Acontece que entre a teoria e a prática regenerativa existe um obstáculo natural, este vão, que surge a partir da natureza distinta entre estas duas atividades: o pensar e o agir. Mas, sabemos que teoria e prática são complementares indissociáveis. Assim, um nunca estará completo sem a presença do outro. Precisamos, então, de uma ponte que os conecte.

Esta ponte precisa estar bem ancorada no solo fértil das ideias e no solo rochoso da prática. Ela deve ser robusta, generosa e testada. Deve existir uma via de mão dupla onde as ideias fluam para a ação e a ação esteja fundamentada em uma boa teoria.

E é aqui que o desenvolvimento regenerativo se mostra indispensável e fascinante. Este é um método de concepção e execução de projetos capaz de internalizar as teorias mais avançadas do pensamento ecológico e transformá-las em princípios e quadros conceituais capazes de orientar a prática. É a ponte que conecta o pensar e o fazer.

O praticante familiarizado com esta metodologia é capaz de enxergar e captar os princípios básicos de organização da vida. É capaz, também, de transformar estes princípios em diretrizes que vão materializar esta visão inovadora no projeto em que se está trabalhando.

Além de pensar de forma holística é necessário trabalhar de forma holística. Para tanto, precisamos de um método coerente, honesto e robusto. E esta é a contribuição única do desenvolvimento regenerativo.

Foto: Federico Beccari

Posted by Felipe Tavares

Trabalho para conciliar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos. Acredito que a sustentabilidade começa com uma mudança de pensamento e não de técnicas.

Deixe uma resposta