#20 Por que participar de uma comunidade de transformação? I com Polliana Zocche

Ouça no seu app favorito. 

Polliana Zocche estudou biologia e ecologia durante a graduação, o mestrado e o doutorado. Tem interesse pela ecologia do mundo e ecologia da mente e vem explorando isso com o Trabalho Que Reconecta. Faz parte da equipe da Revista Bodisatva e é caseira do O lugar.

Nessa conversa, Polli compartilhou das suas experiências nas diversas comunidades onde orbita e trouxe reflexões inspiradoras sobre a beleza das pequenas vitórias, sobre dar nascimento positivo às pessoas, sobre a liberdade da própria energia que é anterior e independente das frustrações e sobre criar espaços que abraçam processos emergentes na medida em que deixamos cair máscaras e certezas.

Inspiradas em ensinamentos budistas, ecologia profunda, pensamento sistêmico e outros corpos de conhecimento, conversamos sobre o papel das comunidades em possibilitar uma busca de sentido que se faz a muitas mentes, mãos e corações e, assim, favorece o surgimento de um interesse genuíno pela vida das pessoas e do mundo mais que humano.

Todo mundo está sofrendo e querendo encontrar maneiras de ser feliz. Reconhecer a dimensão coletiva de dinâmicas aparentemente pessoais, como da busca por felicidade, nos covida ao lugar de escutar e oferecer. Assim, nossas relações podem se tornar cada vez menos utilitárias e cada vez mais capazes de viver as perguntas e celebrar o encontro.

Tudo o que fazemos, e o que deixamos de fazer, move a realidade. Reconhecer que a mudança é possível (porque mesmo a inação produz efeitos) e que nós somos agentes de mudança é um dos motivos para participar de comunidades de transformação pessoal e social. Talvez essa conversa te inspire a se juntar às comunidades que anfitriamos. Conheça O lugar, a Comunidade de Aprendizagem do Trabalho Que Reconecta e o Círculo Regenerativo.

Posted by Juliana Diniz

Através da conciliação entre desenvolvimento humano e social e a inteligência dos sistemas vivos, facilito processos de aprendizagem e transformação pessoal e coletiva que promovam a saúde planetária e protejam a memória biocultural da Terra.

Deixe uma resposta