Mês: outubro 2018

A era ecológica (parte 1)

A era ecológica (parte 1)

A era ecológica é uma passagem necessária da humanidade na Terra

Essa sequência de três textos intitulados “A era ecológica” é inspirada pelas reflexões de Thomas Berry no livro “O sonho da Terra”. Ele é considerado um dos grandes nomes do pensamento ecológico. Exerceu os ofícios de sacerdote católico, historiador cultural, eco-teólogo e gostava de ser referido como cosmólogo e acadêmico da Terra.

A maneira como temos escolhido habitar a Terra aponta sinais de fracasso. O “dia de sobrecarga da Terra”, isto é, o dia em que consumimos mais recursos do que a Terra é capaz de suprir e regenerar em um ano, acontece cada vez mais cedo. Em 2018 este dia foi 1 de Agosto. Nas tradições andinas, em 1 de Agosto é celebrado o dia em reverência à Pachamama.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Seja a resistência

Seja a resistência

Ser a resistência é se recusar a aceitar ou consentir com hábitos, práticas e ideologias perigosas. É se lembrar de defender o óbvio e não normalizar o absurdo.

Ser a resistência é se opor a ideia de que o planeta e todas as espécies servem às vontades dos seres humanos. É desafiar o uso utilitarista da natureza e reconhecer os direitos da Terra e de todos os seres.

É rejeitar o consumismo e a idéia absurda de crescimento industrial infinito. É se opor ao vício de poder, ao assalto à democracia e a afronta aos direitos das minorias.

Ser a resistência é se opor a objetificação da mulher, ao racismo e à exploração de pessoas. É lutar por uma sociedade de igualdade e de direitos.

É rechaçar duramente o lucro com as guerras, com as doenças, com a fome e os desastres. É ir contra o oportunismo amoral da indústria armamentista, farmacêutica e de alimentos.

É se recusar a alimentar o jogo da intolerância, ignorância e violência. É não aceitar discursos de ódio e ataques ao direito de existir.

Ser a resistência é, antes de mais nada, defender os direitos humanos universais. É se posicionar e não fugir de conversas difíceis. É se ver no outro e estar lá para o que é certo.

Resista.

Posted by Felipe Tavares in Texto rápido, 0 comments
Como ter conversas difíceis sem desumanizar o outro?

Como ter conversas difíceis sem desumanizar o outro?

O atual cenário sociopolítico nos apresenta enormes desafios. Três deles me parecem ser centrais:

  • Sermos capazes de reconhecer nossa humanidade comum apesar das divergências;
  • Relembrar do potencial humano para mudanças disruptivas não-violentas apesar do expurgo coletivo de intolerância;
  • Expressarmo-nos e posicionarmo-nos politicamente sem que reproduzamos padrões de fala e comportamento que combinam mais com a postura da qual divergimos do que com a causa a que queremos servir.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 2 comments
Uma abordagem ecológica para a regeneração em escala

Uma abordagem ecológica para a regeneração em escala

A vida se organiza em sistemas dentro de sistemas. Tomar consciência e ganhar clareza deste padrão é crucial para que possamos pensar projetos capazes de realizar a transformação sistêmica que desejamos.

Os melhores guias de design para a regeneração são os princípios ecológicos. Um entendimento dos padrões fundamentais da natureza proporciona uma base sólida para a intervenção em ambientes socioecológicos de forma que é possível reestabelecer a harmonia que foi quebrada anteriormente pela aplicação dos princípios mecanicistas e pela simplificação dos sistemas vivos (BENNE e MANG, 2015). Este artigo explora três princípios ecológicos capazes de aumentar o entendimento de como é possível trabalhar o desenvolvimento regenerativo em escala.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 0 comments