Mês: julho 2018

Primeiras mudanças para a prática regenerativa

Primeiras mudanças para a prática regenerativa

Alinhar o desenvolvimento social com a inteligência dos sistemas vivos passa necessariamente por uma mudança no pensamento, em como nos vemos e em como trabalhamos

Cultivar uma nova mentalidade

Os principais problemas da humanidade possuem origem no pensamento em si. Ainda está vigente uma visão de mundo desatualizada, industrialista, dominadora e patriarcal. Reduzimos a complexidade do mundo em linhas retas e em processos de causa e efeito. Transformamos tudo o que se move e cresce em máquinas newtonianas. Se a complexidade e incerteza se apresentam ficamos paralisados e tratamos logo de identificar qual peça dessa máquina iremos reparar, trocar ou remover.

Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 0 comments
As três dimensões da Grande Virada

As três dimensões da Grande Virada

Tomando emprestada a perspectiva das gerações futuras podemos dizer que estamos vivendo hoje a Grande Virada de uma sociedade de crescimento industrial para uma sociedade que sustenta a vida. O grande desafio desse momento histórico é sermos capazes de escolhermos a vida.

Continue reading →

Posted by Juliana Diniz in Artigo, 0 comments
Desenvolvimento regenerativo, uma evolução na discussão em sustentabilidade

Desenvolvimento regenerativo, uma evolução na discussão em sustentabilidade

O que o desenvolvimento sustentável é para o desenvolvimento econômico convencional, o desenvolvimento regenerativo é para o desenvolvimento sustentável.

O desenvolvimento regenerativo contrapõe a ideia do desenvolvimento sustentável de que o melhor que o ambiente construído pode ser é “neutro” em relação ao mundo vivo. Entende-se, a partir desta nova visão, que os ambientes construídos podem produzir mais energia e recursos do que consomem e que podem funcionar como catalisadores da saúde dos lugares em que estão inseridos. Esta prática de design é descrita como uma que constrói capacidades, e não coisas.
Continue reading →

Posted by Felipe Tavares in Artigo, 0 comments